Chega ao fim a “parceria” entre Palmeiras e Traffic

Está praticamente encerrada a “parceria” entre a maior empresa de marketing esportivo do País, a Traffic, e o Palmeiras.

Durante o tempo que durou essa porcaria, o Palmeiras serviu como vitrine para vários jogadores ligados à empresa de J.Hawilla, que até mantém em Porto Feliz, a Academia Traffic, para revelar novos talentos.

A lista de atletas “Traffic” que passaram por aqui é longa. Com exceção do zagueiro Henrique, que jogou muito bem e logo foi vendido, o resto quase não deixou saudades.

Jumar, Gustavo, Thiago Cunha, Keirrison, Jefferson, Moacir, Sandro Silva, Cleiton Xavier, Diego Souza, Evandro, Fabinho Capixaba, Marquinhos e Willians; são alguns dos jogadores que passaram por aqui com a benção da Traffic.

Enquanto isso, os jovens talentos da base palmeirense ficavam enlatados no Palmeiras B, ou eram emprestados para outras equipes de menor expressão.

Mas o pior de tudo é que o clube ainda deve cerca de R$11 milhões para a Traffic, que até ajudou o Palmeiras a pagar salários de atletas e treinadores.

Vale lembrar que, apesar de tudo, a Traffic ainda é a responsável pela venda de ‘naming rights’, camarotes, cadeiras especiais, restaurantes, lanchonetes e lojas para a Arena Palestra Itália.

Não há bem que sempre dure, nem mal que nunca acabe.