Verdão vence Inter mesmo sem brilhantismo

Como seria de se esperar, o Palmeiras ainda não jogou uma partida a altura das realizadas na fase decisiva do Paulistão. Mas, ao menos, faturou seus primeiros três pontos no Brasileiro. A vitória de 2 a 1 contra o Internacional coroou a equipe que mais buscou o jogo e que mais criou oportunidades, embora também a que mais as desperdiçou. Nem mesmo o fato de ter contado com um jogador a mais a partir dos 17 minutos do primeiro tempo, e dois a mais a partir dos 37 do segundo, tornou a partida mais simples.

Surpreendendo a todos, Luxemburgo entrou com Denílson no lugar do afastado Kleber, promovendo a volta de Leo Lima ao meio de campo para suprir a vaga do suspenso Diego Souza, e David na zaga, substituindo Gustavo. O time começou bem, criando boas chances. Batendo bastante, a zaga gaúcha perdeu aos 17 minutos Edinho, bem expulso após duas faltas duras. Seu colega Guiñazu também poderia ter saído cedo da partida, mas o juiz o pôs para fora apenas no final da segunda etapa.

 Denílson se mostrou ao mesmo tempo o jogador mais efetivo no ataque, buscando jogadas e se movimentando bastante, e também o mais infeliz nas conclusões, perdendo ao menos dois gols feitos. Sorte que, aos 29, ele soube se aproveitar de falha da defesa adversária e fez nosso primeiro gol. Aí, veio a vacilada: Alex cobrou falta na área e Índio cabeceou para o fundo de nosso gol, aos 47 minutos, na última jogada da etapa inicial.

A metade final da partida demorou a pegar no breu. O primeiro lance de perigo ocorreu em cobrança de falta de Henrique. Aos 14 minutos, pênalti em Valdívia, cobrado com categoria por Alex Mineiro um minuto depois. A partir daí, o Verdão demonstrou incompetência para aproveitar o jogador a mais, enquanto a equipe de Abel Braga só levava perigo em bolas paradas, tendo o zagueiro Índio como seu jogador mais perigoso. Pouco mais de dez mil torcedores marcaram presença no Palestra Itália.

Imagem: Marcelo Ferrelli/Gazeta Press