Verdão vacila, e Mirassol arranca empate

Todo Luxemburgo tem seu dia de Caio Júnior. E infelizmente foi o que ocorreu com o atual treinador verde, na partida contra o Mirassol, na gloriosa Arena Barueri. Em vacilada típica do Palmeiras 2007, estivemos duas vezes à frente do marcador, e nas duas, cedemos o empate para a esforçada equipe interiorana. Dois a dois foi o placar final. Oscilação típica de equipe ainda se acertando, e com jogadores por estrear, entre eles Diego Souza e Lenny. Mas foram dois pontos que não poderiam ter sido perdidos.

Mais uma vez, Luiz Henrique mostrou merecer um estágio no banco de reservas, pois entrou desde o começo e não jogou nada. Mesmo sem grande brilho, o time conseguiu ir para os vestiários no intervalo com a vantagem de um a zero. O gol saiu de ótima jogada ensaiada: Elder Granja bateu escanteio, Martinez escorou de leve e Gustavo Xerifão mandou para as redes adversárias, aos 37 minutos. Teve também um pênalti em Willian, que o juiz fez que não viu.

Na segunda etapa, Luxa trocou Willian por Makelele, e, novamente, não deu certo. O time recuou demais, e aos 20 minutos, tomou o castigo, em cobrança de escanteio de Fabinho finalizada por Montoya, em vacilada de Diego Cavalieri. Aos 34 minutos, quando parecíamos caminhar para o empate, Valdívia é puxado dentro da área. Pênalti, que o até então apagado Alex Mineiro cobrou com maestria.

Aos 41 minutos, o jogo se decidiu nos detalhes: em bela jogada de Valmir, que entrou no lugar do apagado Leandro, Alex Mineiro perdeu gol feito. No lance seguinte, em contra-ataque rápido, Léo Mineiro empata novamente o jogo, no primeiro toque que deu na bola. Daí para frente, o Palmeiras tentou nova vantagem, de forma atabalhoada, mas não adiantou. Voltamos a campo na quarta-feira, contra o Ituano.

Foto: José Patrício/AE