Verdão espanta a zica e ganha de 2 a 0

Por Fabian Chacur

O Palmeiras conseguiu na gelada noite deste sábado (14) sua primeira vitória na segunda passagem de Luiz Felipe Scolari no comando do Verdão. O 2 a 0 contra o Atlético-PR no estádio do Pacaembu, presenciado por mais de dez mil pessoas, foi justo, mesmo em partida de qualidade técnica sofrível.

O começo não poderia ter sido melhor para o torcedor alviverde. A um minutos, falta a nosso favor. O juiz mandou voltar a cobrança, e o rebote sobrou para Tinga, que, dando uma de lateral direito, cruzou com precisão na cabeça de Danilo. Um a zero, logo aos dois minutos.

A partir daí, o time paranaense, que veio com quatro zagueiros e toda a pinta de querer se fechar lá atrás e tentar alguma coisa nos contra-ataques, viu seu esquema desmoronar. Enquanto isso, o Verdão, com Fabrício, Luan, Rivaldo e Tadeu no time, tentava tocar a bola, errando passes e chutando pouco ou quase nada a gol.

Mesmo assim, o Atlético-PR só nos ameaçou aos 28 minutos, em bom chute de Branquinho que Marcos, de volta à meta palmeirense, defendeu de forma brilhante.

A etapa final começou com pinta de sexta-feira 13 para nós, com a expulsão do estabanado centroavante Tadeu, que até ali pouco ou nada havia feito para a equipe. Ao sair, tomou um olhar de reprovação do Felipão que falou por mais de mil palavras.

Com um jogador a mais em campo, os comandados de Paulo César Carpegiani tentaram tomar as rédeas do jogo e conseguiram obrigar Marcos a outra grande defesa, aos 10 minutos. Mas foi o Verdão quem teve uma grande chance, aos 18 minutos, em cobrança perfeita de falta de Marcos Assunção que bateu na trave adversária.

Aos 18 minutos, o inoperante Luan deu lugar a Ewerthon, que mostrou mais movimentação e vontade. Felipão foi expulso aos 23 minutos, e o juiz de certa forma começou a se perder. Maurício Ramos deu bela cabeçada após cobrança de escanteio e quase fez aos 30 minutos.

Aos 31 minutos, o momento que valeu o ingressos para quem esteve no estádio Paulo Machado de Carvalho.

Tinga, o melhor em campo, deu uma cavadinha típica de futebol de salão e colocou Ewerthon na cara do gol. Este matou no peito com estilo e estufou a meta paranaense, espantando a zica e nos proporcionando a quarta vitória no Brasileirão 2010.