Vende a camisa pra gritar 'é campeão'?

Quem viveu a ‘era Parmalat’ no Palmeiras certamente já ouviu o grito acima, vindo principalmente dos torcedores do Corinthians.

Inconformados com a supremacia histórica do Palmeiras nos Derbys, eles inventaram esse grito para tentar diminuir a grandeza de nossa camisa, de tantas tradições, por conta da vitoriosa co-gestão com a empresa italiana.

Pois bem, quase vinte anos depois, ao ler o ótimo post do Fábio Kadow, vejo que eles é que resolveram, de fato, vender sua camisa. E o pior é que estamos indo no mesmo caminho.

É a manga da camisa, o calção,a parte de trás do calção, a camisa do Felipão, etc. Sei lá, virou moda, talvez ninguém se importe mais em vender cada centímetro da camisa para montar um time campeão.

Não, não creio que o futebol possa viver só de romantismo. Longe de mim isso, mas será que vale a pena rifar a camisa desse jeito?

Creio que os clubes devem fazer diversas parcerias com grandes empresas. Podem divulgar seus produtos de mais diversas formas, sem que a camisa, que é um dos principais patrimônios do time, seja loteado desta forma.

Será que um patrocinador de um clube europeu de ponta, por exemplo, concordaria com essa situação? Sua marca no meio de tantas outras. Duvido.

Qual a sua opinião sobre o (polêmico) assunto?