Valdívia marca e Verdão está na final da Copa do Brasil

Perdoem-me, palmeiristas do Brasil e do mundo, se esse texto não sair lá essas coisas. Mas é complicado escrever chorando de forma compulsiva, como estou fazendo agora.

A razão, vocês sabem. Após empatar por 1 a 1 com o Gremio na chuvosa e fria noite desta quinta-feira (21), o Palmeiras se classificou para a final da Copa do Brasil de 2012.

Quase 27 mil torcedores encharcados tiveram a chance de ver seu clube de coração voltar a uma final de campeonato de âmbito nacional após mais de 10 anos.

Surpreendendo a todos, o time do Grêmio abusou de violência e nervosismo durante toda a partida, aproveitando-se da irregularidade do juiz Ricardo Marques, que por várias vezes contemporizou na hora de coibir a violência do time gaúcho.

O Palmeiras por pouco não abriu o marcador logo de cara, em boa jogada finalizada por Daniel Carvalho. Aos 17 minutos, o goleiro do Grêmio teve de fazer grande defesa em cabeçada do zagueiro Maurício Ramos.

O Grêmio teve duas oportunidades mais claras, uma aos 27 minutos com chute de longe de Souza, e outra aos 34 minutos, quando Marco Antonio exigiu uma bela defesa de Bruno.

Mesmo sem Marcos Assunção, vetado nos vestiários por sentir uma contusão, o Alviverde Imponente soube conter o ímpeto do Grêmio, mesmo errando alguns passes, como aos 44 minutos, quando Arthur travou Kleber na hora agá, após falhas de Henrique e Maurício Ramos.

O segundo tempo vinha morno até que, aos 15 minutos, Valdívia entrou no lugar de Daniel Carvalho. Parecia uma substituição não muito correta, devido ao precário estado do gramado, não muito adequado ao jogo leve e de habilidade do camisa 10 alviverde. Felizmente, essa expectativa negativa não se confirmou.

Aos 21 minutos, uma jogada de bola parada botou fogo na partida. Edilson bateu falta pelo lado esquerdo da defesa do Verdão. Bruno rebateu e Fernando aproveitou. Um a zero Grêmio.

Para felicidade da torcida palmeirense que deu à Arena Barueri a maior lotação de sua história, o time não sentiu a pancada e continuou marcando firme e tentando sair em contra-ataque.

Aos 27 minutos, enfim tivemos a oportunidade de ver o renascimento do Valdívia dos bons tempos de 2008. Ele arrancou da intermediária, deu belo passe para Juninho e avançou. O craque recebeu de volta a bola e finalizou com força. Era o empate, na hora certa.

Logo após, o Mago saiu alucinado, tirando a camisa e pulando em cima de Felipão para comemorar. Um dos momentos mais emocionantes da história recente do Verdão.

Aí, o Grêmio começou a bater ainda mais, algo raro em times treinados por Vanderlei Luxemburgo. Kleber merecia ter sido expulso em uma falta. E aos 34 minutos, Rondinelly fez falta feita em Barcos e levou o vermelho.

Em confusão logo após esse lance, Edilson deu um soco na cara de Henrique e também foi expulso. Após alguns minutos de pura baderna, Ricardo Marques inexplicavelmente mandou Henrique para o chuveiro mais cedo.

Valdívia ainda bateria uma falta aos 41 minutos com maestria, mas a bola caprichosamente bateu na trave.

Após o apito final, um momento arrepiante: Barcos deu sua camisa a Bruno e os dois se abraçaram de forma emocionada. Como diria Raul Bianchi, deixaram o porquinho chegar. Estamos na final da Copa do Brasil, após 14 anos. E que venha o Coritiba!