Lesionado, Valdívia joga no ventilador e segue como dúvida

O meia, que não gosta de falar com a imprensa, pediu para falar na coletiva de hoje, marcada para antes dos treinos secretos do professor Dorival. Ainda se recuperando de lesão na coxa esquerda, o chileno se esquivou quando perguntado se joga no sábado, contra o Internacional, em Porto Alegre.

“Vamos tratar durante a semana. Começamos ontem o tratamento. Acredito que não foi nada de mais. Até agora não fiz exame nenhum. Mas senti um incômodo, senti e espero que não seja muita coisa. Se não for contra o Inter, que seja contra o Atlético-PR”, disse o capitão do Palmeiras.

Nas entrelinhas, ele quis dizer que não viaja para o Rio Grande do Sul. Ou só viaja se algo surpreendente e inesperado acontecer.

Claro que também perguntaram sobre o momento difícil que o clube atravessa, correndo o risco de ser novamente rebaixado para a Série B.

“Pelo que o Paulo e o Pescarmona estão falando, querem formar um time forte em 2015. Mas todo ano é o mesmo papo. Falam que vão montar um time forte, um time que vai disputar títulos, com jogadores fortes. Não é a questão de trazer Messi, Cristiano Ronaldo. Mas precisamos ter elenco. Não dá para um único jogador ter a responsabilidade”, disse ele.

Nunca fui fã do Valdívia fora de campo, mas desta vez ele está certo. Os candidatos e cartolas palmeirenses têm discursos maravilhosos, muita gente cai nessa ladainha, mas a verdade é que o clube vai quebrando os seus recordes negativos ano após ano.

Os atletas têm a sua responsabilidade, mas os dirigentes (atuais e antecessores) é que são os principais culpados pelo atual estado em que a Sociedade Esportiva Palmeiras se encontra.

E que vença o (menos) pior…

Abraço a todos!