Valdívia decide clássico e cala seus críticos

 

Em 2007, Valdívia deixou de ser uma promessa e se tornou o grande ídolo atual da torcida alviverde após espetacular atuação contra o Corinthians, em inesquecível vitória por três a zero no Paulistão daquele ano. Desde então, sempre que enfrenta nosso maior rival, o chileno se mostra à vontade em campo. Só faltava fazer um gol. Não falta mais. Além de jogar uma ótima partida, levando muitas pancadas e sofrendo um pênalti do tosco Carlão, não marcado pelo árbitro, estava na hora certa e no lugar certo para, aos 29 minutos da etapa final, nos dar a vitória de que tantos necessitávamos. Além disso, calou seus críticos. Quem é que não faz gols em clássicos? Heim?

O primeiro (e possivelmente, último) Palmeiras x Corinthians de 2008 foi uma partida na qual tivemos vantagem, em termos técnicos, especialmente na etapa inicial. Jogando de forma defensiva e contando principalmente com o empenho de seus limitados atletas, os Manos do Menezes só nos assustaram através de contra-ataques fortuitos, enquanto nós tivemos uma bela cabeçada de Diego Souza defendida por Júlio César e o pênalti em Valdívia, não marcado.

Na primeira metade da etapa final, o Verdão deu uma vacilada, e possibilitou ao adversário algumas chances, incluindo um gol bem anulado por impedimento. Na parada técnica, no entanto, Luxemburgo acertou a equipe, que melhorou bastante após as entradas de Denílson e Kleber nos lugares de Wendel e do apagado Alex Mineiro. E o gol que definiu o placar saiu após belo chute de Kleber, que Júlio César defendeu parcialmente. A bola sobrou para o Mago, que a mandou para o fundo das redes.

Em termos de torcida, ao contrário do que se esperava, a Nação Alviverde dividiu quase que em situação de igualdade o espaço do Morumbi com o Corinthians, e não faltaram coros para “eles” em função do justo rebaixamento para a segundona do Brasileirão.