Valdívia volta, embora jamais tenha nos deixado

Ainda me lembro como hoje quando o vi pela primeira vez, correndo sozinho nos campos da Academia de futebol. Dando voltas e voltas, absolutamente anônimo.

Naquele ano, 2006, Edmundo e Marcos eram os grandes nomes do Palmeiras, e Valdívia era apenas mais um estrangeiro tentando se adaptar ao país do futebol.

Em 2007, no entanto, ele começou a mostrar o seu talento com a camisa do Verdão aos poucos. Mas não demorou muito até virar titular absoluto da equipe.

Com dribles, o “chute no vácuo”, e a irreverência característica dos grandes craques ele conquistou o coração do palmeirense, e principalmente os torcedores mirins que o veneram como um verdadeiro herói.

Suas grandes atuações, principalmente nos clássicos, convenceram até mesmo aqueles que se recusavam a acreditar que um jogador chileno poderia conquistar a torcida do clube mais vitorioso do futebol brasileiro.

Em sua primeira passagem pelo Palmeiras, foram 93 jogos e 24 gols pelo clube, alguns deles inesquecíveis. Mesmo no Oriente Médio, Valdívia assistia aos jogos do Verdão e jamais se esqueceu do clube.

Tanto isso é verdade que ele recusou outras ofertas financeiramente melhores para poder voltar ao Verdão (o Flamengo queria levá-lo para a Gávea).

Uma atitude dessas vinda de um jogador de futebol, nos dias de hoje, é de arrepiar.

Seja bem vindo, Feraaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!