Vagner falha e Palmeiras fica no empate em Chapecó

O Palmeiras precisava de uma vitória para retomar a liderança do Brasileirão. Com Leandro Pereira no comando do ataque e Roger Guedes no banco de reservas, o técnico Cuca apostava em Moisés e Tchê Tchê para a armação das jogadas.

Além disso, os lançamentos e cruzamentos de Zé Roberto também eram opções para atacar e logo no início da partida Thiago Santos, de cabeça,  quase abriu o placar.

Zé Roberto bate bem na bola, mas isso não pode ser a única arma do Palmeiras para pressionar os adversários. A bola não chega aos nossos atacantes e quando chega não conseguimos muita coisa. Pode ser coincidência, mas desde que recebeu aquela sondagem de um clube chinês, Dudu nunca mais foi o mesmo jogador.

Muitos dos gols marcados pelo Palmeiras no Brasileirão surgiram de jogadas de Dudu e Roger Guedes, se nenhum desses jogadores estiver bem, esse esquema não funciona. Acaba sobrando apenas o chuveirinho do Zé Roberto mesmo, que fez mais uma grande partida.

A Chapecoense também não ameaçava o Palmeiras. O gol veio numa falha do goleiro Vagner, que saiu muito mal do gol e a bola sobrou para o Kempes, que estava impedido, abrir o placar para o time catarinense.

O Palmeiras sentiu demais o gol e não fez mais nada na partida até o final da primeira etapa. Cuca resolveu arriscar (precisava mesmo) e sacou Thiago Santos para a entrada de Cleiton Xavier. A mudança surgiu efeito e o Palmeiras pressionou a Chapecoense desde o primeiro minuto.

Até assustei quando o Lucas Barrios foi anunciado para entrar na partida. Achei que o inoperante Leandro Pereira sairia, mas Cuca sacou o esforçado Erik, que era o único que tentava alguma coisa no ataque.

vagner_chapecoense

Lucas Barrios acabou atraindo a marcação dos zagueiros da Chapecoense e o Palmeiras tinha mais espaço para atacar. O empate estava amadurecendo quando Vagner cometeu outra falha grave, saindo errado do gol e ainda voltando de costas.

Se não fosse o fenômeno Zé Roberto, os donos da casa ampliariam o placar. É melhor o Vagner admitir que não tem condições psicológicas de substituir o Prass neste momento e passar o bastão. Talvez seja o melhor a ser feito.

O irreconhecível Dudu saiu de campo com cara de poucos amigos para a entrada de Allione, que “abriu o jogo” caindo pelo lados, indo pra cima dos adversários.

Se Vagner falhava, o goleiro dos caras pegava tudo. O gol do empate veio num pênalti muito parecido com aquele que marcaram contra a gente no domingo, no Rio de Janeiro. O zagueiro tocou em Cleiton Xavier, o meia valorizou e o árbitro apontou a cal. 1×1.

Depois do empate, o Palmeiras continuou pressionando a Chapecoense e teve duas chances incríveis para virar o jogo. Uma delas com Cleiton Xavier, que chutou em cima do goleiro Danilo, e a outra com Moisés que tinha toda a liberdade do mundo para chutar, mas bateu forte demais e mandou a bola longe.

Agora, vamos encarar o Vitória no Allianz Parque. Espero que o Cuca dê mais chances para os argentinos (que entraram muito bem no jogo) e também que jogadores importantes do elenco voltem a jogar o que sabem.

Alguém pode me dizer o que o Leandro Pereira fez no jogo inteiro? Eu não sei, mas tenho certeza que os 11 titulares devem ser sempre os melhores. Ainda assim, vamos apoiar muito…estamos na briga!

Abraço a todos!