Tentamos, mas não deu mesmo…

A vantagem de três gols da Ponte Preta era algo difícil de tirar. Mesmo assim, a torcida acreditou na possibilidade de superação da equipe e fez até uma campanha muito legal (#ateoapitofinal) para motivar os jogadores. Foi show!

O técnico Eduardo Baptista arriscou tudo ao colocar o Egídio do lado esquerdo e o Roger Guedes do lado direito do ataque. Era o certo mesmo, pois o Palmeiras precisava marcar um gol logo de cara para intimidar o adversário.

A ansiedade para a partida era muito grande e o Felipe Melo levou um cartão amarelo logo nos primeiros minutos. Ainda assim, ele jogou muito e, para mim, saiu de campo como o melhor jogador da partida.

Talvez seja essa mesma ansiedade que manteve o Verdão no ataque durante todo o primeiro tempo, mas fez com que poucas chances fossem criadas. Não que a equipe não tenha se esforçado, até mesmo o “zagueiro” Mina jogou avançado e levava perigo à defesa da Ponte Preta. Valeu, mas não deu.

Era justamente pela lateral esquerda que o Palmeiras mais chegava ao ataque, seja com o Dudu ou com o Egídio, mas faltava alguém lá na área para resolver o jogo. Miguel Borja chegou a peso de ouro, foi a principal contratação da temporada e muita gente logo de cara o colocou como “matador”. Ele ainda não é.

Borja é um ótimo jogador, muito acima da média, mas ainda é inexperiente. Além disso, ele está ansioso demais para marcar mais gols para satisfazer os anseios de parte da torcida que o colocou como um Deus logo de cara e agora está pegando no pé do cara. Calma lá!

Acredito que o banco de reservas será muito bom para o Borja, assim como foi para o Roger Guedes e faz bem para todo jogador bom.

E o que dizer sobre o Eduardo Baptista? Claro que muita gente o quer bem longe do Palmeiras agora, mas ele segue apoiado pelos dirigentes e líderes do elenco.

Após o final da partida, os líderes do grupo apoiaram firmemente o treinador e o mesmo se repete nos treinamentos. Ou seja, a não ser que uma tragédia venha a acontecer, ele continua no comando da equipe. Gostei de ver que ele pelo menos tentou algo diferente do que aquele nefasto 4-1-4-1 para esta partida, mas infelizmente não deu certo.

Seja como for, não há muito tempo para cornetagem. Nesta quarta-feira já temos outra decisão, contra o Peñarol, e precisamos apoiar o time mais uma vez.

Abraço a todos!