Sport vence Palmeiras nos contra-ataques

Time pequeno que joga fora contra os grandes sempre fica fechadinho na defesa, saindo apenas para eventuais contra-ataques. Com essa receita mais manjada do que promessa de político em época de eleição, o Sport Recife conseguiu vencer o Palmeiras pela terceira vez em 2008, pelo placar de três a zero.

Em um dia no qual tivemos apagão total da equipe verde, os comandados de Nelsinho Batista souberam se aproveitar das chances que tiveram. Roger, péssimo centroavante que nada fez no Palmeiras e no São Paulo, teve sua noite de Romário e marcou dois gols, sendo o zagueiro Durval responsável pelo outro tento. Foi o final de nossa invencibilidade no Palestra Itália, que se mantinha desde dezembro de 2007.

Sem imaginação, marcando mal e com pouca inspiração em termos ofensivos, o Verdão pouco criou, na etapa inicial. Quando ainda tentava se acertar na partida, rápido contra-ataque encontrou Roger, que aos 27 minutos abriu o marcador. Boa chance de gol, só aos 47 minutos, perdida pelo normalmente efetivo Alex Mineiro.

Na etapa final, Luxa tentou Lenny no lugar de Evandro, mas, novamente, o atacante não disse a que veio. Em sua defesa, podemos dizer que não teve o apoio do resto do time, que permaneceu com muita posse de bola mal aproveitada. Sem ter culpa de nada, o Sport prosseguiu em busca de novos contra-ataques, e fez seu segundo tento aos 22, com Roger.

Aos 33, Davi escancarou a derrota, que infelizmente breca momentaneamente a ascensão alviverde dentro da competição. Felizmente, ainda faltam 14 rodadas, mas digamos que não foi um dos momentos mais adequados para a equipe abrir o bico, ainda mais contra um adversário que pouco fez neste campeonato, e que conquistou apenas sua terceira vitória fora, tendo perdido sete. 

******

Ouça também o Torpedo Verde, o boletim diário da Rádio Mondo Palmeiras.