Segunda vitória seguida, luz no fim do túnel

Parece mentira, mas conseguimos, contra o Botafogo, em casa, nossa segunda vitória consecutiva, após uma fase negativa daquelas. Com a providencial saída do Técnico Pãozinho (o impagável Marcelo Vilar) e a entrada do experiente Jair Picerni, as coisas começaram a entrar nos eixos. É tarde para uma reação à altura de nossas tradições, mas ao menos o vexame de cair novamente parece estar se afastando. O 2 a 1 contra o time carioca nos permitiu chegar aos 43 pontos ganhos, com 12 vitórias, 7 empates e 16 derrotas, e saldo negativo de menos oito gols. Ah, e subimos uma posição. Agora, estamos em décimo quarto lugar, ultrapassando o Juventude (por coincidência, nosso próximo adversário, fora de casa) devido a nosso saldo de gols ser melhor que o deles, que é de menos nove gols. Continuamos a três pontos do Fluminense (que tem duas vitórias a menos), o décimo sexto colocado, e a cinco pontos da zona do rebaixamento, ou seja, da gloriosa Ponte Preta.

A principal novidade da rodada é no mínimo curiosa. Graças ao tropeço do Atlético Paranaense, ficamos a apenas três pontos da cobiçada zona da Copa Sul Americana, que mal ou bem é um campeonato, algo que precisamos conquistar novamente. Em três rodadas, trata-se de uma distância superável.

Nossas próximas partidas: Juventude fora, Inter em casa e Fluminense fora. Ou seja, dois confrontos contra adversários diretos. Para mim, se conseguirmos ganhar do Juventude, estamos livres. Como o time de Edcarlos deve faturar o título antecipadamente na próxima rodada, não estranhem se o Inter jogar contra nós com time misto, priorizando o Mundial Interclubes. Se tudo der certo (cruzemos os dedos!), a partida contra o time de Pedrinho Pé Frio, na última rodada, será apenas para cumprir tabela. E para quem gosta de números: Santa Cruz e Fortaleza já estão matematicamente rebaixados. São Caetano respira por aparelhos, e a Ponte ainda luta, embora dê pinta de que acabará ficando com a quarta indesejada vaga rumo à Segundona em 2007.