S.E Palmeiras x Imprensinha

chamada36.gif

Foi emitida, na semana passada, a nota oficial de repúdio da Sociedade Esportiva Palmeiras  à infame reportagem “Palmeiras, um clube decadente?”, dos jornalistas Daniel Akstein Batista e Giuliano Villa Nova, e publicada no Estadão no dia 27 de junho.

O texto é de autoria da Líbero Comunicação, empresa responsável pela assessoria de imprensa palestrina, e foi (muito bem) escrito pelos jornalistas Fábio Finelli, Helder Bertazzi e Marcelo Tadeu Lia. Quem ainda não leu, aproveite a oportunidade, vale a pena.

***

Ao caderno de esportes do jornal “O Estado de S.Paulo”,

A direção da Sociedade Esportiva Palmeiras, através de sua assessoria de imprensa, manifesta repúdio com a matéria publicada pelo jornal “O Estado de S.Paulo” do dia 25 de junho, segunda-feira, que trouxe o seguinte título: “Palmeiras, um clube em decadência?”. A reportagem aborda temas que não condizem com a realidade.

Sobre o atacante Kléber, ele não esnobou o Palmeiras como quer fazer crer a reportagem. O que houve foi que a proposta do rival foi substancialmente maior, muito acima da realidade do mercado brasileiro. O próprio jogador, em entrevista ao diário Lance! dias atrás, havia comentado da felicidade e da expectativa em vestir a camisa do Palmeiras.

O mesmo ocorreu com o jogador Alex Mineiro que, aliás, também só continuou no Atlético-PR porque o clube parananense tinha prioridade na renovação do atleta e cobriu nossa oferta.

No caso de Alecsandro, Rômulo e Dênis Marques, o detalhe é que os clubes desses atletas não se dispuseram a negociá-los. Além disso, e o mais importante, a matéria poderia ter citado que atletas como o zagueiro Gustavo, o atacante Alemão e o meia Deyvid, rejeitaram propostas bem maiores de outros clubes quando contratados pelo Palmeiras. Gustavo havia recebido sondagem do Corinthians; Alemão, do Internacional-RS, e Deyvid, do Flamengo.

O episódio envolvendo Carlinhos Bala aconteceu lá no começo do ano e, o que poucos comentam, o próprio jogador pediu desculpas no amistoso em que a seleção paulista, treinada pelo técnico Caio Júnior, fez contra a seleçao pernambucana, no dia 1º de maio. Ele não veio por uma questão familiar, como declarou à época.

Apenas complementando: a saga por atacantes não é problema apenas do Palmeiras, mas sim da maioria dos clubes grandes deste país, haja visto o incessante interesse de outras equipes por atletas de frente e o conseqüente fracasso nas negociações.

A reportagem ainda cita: “Afinal, um clube que não ganha um título de expressão há quase dez anos, tem sido preterido por vários jogadores, atrasa o pagamento de seus atletas e vê a torcida dos arqui-rivais crescer a cada ano ainda merece ser classificado como grande”.

Vamos aos pontos:

O Palmeiras não ganha títulos há sete anos [conquistou a Copa dos Campeões, que rendeu vaga à Copa Libertadores, e o Torneio Rio-SP, [em meados de 2000], mas nem por isso se apequenou.

Ao invés de fazerem uma matéria com teor negativo, deveriam ter apurado os contratos de publicidade e patrocínio feitos pelo Palmeiras nos últimos anos e, mais, conferido as últimas pesquisas de torcidas de órgãos dos mais importantes, que ainda apontam o Palmeiras como um dos principais nesse quesito.

O Palmeiras, nos últimos 10 anos, sempre tem aparecido com excelentes médias de público nas competições em que disputa. A pergunta que cabe é: de onde saiu a informação que as torcidas rivais crescem mais a cada ano? Não é o que mostra o público presente nos estádios. O Palmeiras é o terceiro neste Brasileiro que mais leva torcedores nos jogos. Eis um bom indicador de que nossa torcida cresce e aparece.

Sobre o atraso no pagamento de salários, isso é um problema de todos os clubes. Pesquisa recente do jornal “Folha de S.Paulo” apontou para a dívida dos clubes brasileiros, e eis o resultado:

1º) 232,9 Milhões = Flamengo

2º) 216,8 Milhões = Botafogo

3º)>150,0 Milhões = Vasco da Gama

4º)>100,0 Milhões = Grêmio

5º)>100,0 Milhões = Corinthians

6º) 87,5 Milhões = Santos F.C.

7º) 81,2 Milhões = Atlético Mineiro

8º) 80,0 Milhões = Cruzeiro

9º) 75,9 Milhões = São Paulo

10º) 48,7 Milhões = Palmeiras

Ao que parece, a Sociedade Esportiva Palmeiras é o clube de São Paulo que menos deve. Os números mostram que o problema é comum em vários clubes e, o Palmeiras, com um trabalho sério e transparente, vem colocando as coisas em seus devidos lugares.

Por fim, é válido acrescentar trecho da coluna deste domingo de Ugo Giorgetti, do próprio jornal “O Estado de S.Paulo”, que cita:

“Quem torce para o Palmeiras aprende desde cedo que tudo pode acontecer. Ao Parque Antárctica se vai preparado para o melhor e para o pior. Sempre foi assim e sempre serás. Não ha sentimentos mornos, medianos, plácidos, reservados aos torcedores desse time. Ou se comemora uma vitória épica ou se lamenta uma derrota catastrófica. É isso!

Quem não quiser que torça para outros clubes sensatos, organizados e previsivéis, preocupados em não perder … O Palmeiras de hoje é igual ao que sempre foi … inesperadamente vai ressurgir e continuará sendo o espinho atravessado na garganta de todos os times do Brasil. O século é longo e ainda mal começou.”

A direção da Sociedade Esportiva Palmeiras continuará, sempre, respeitando a informação deste conceituado jornal, e nos colocamos à disposição para quaisquer esclarecimentos e dúvidas persistentes quanto à nossa história e administração.
Fonte: Observatório Verde