Rodar o elenco é bom, mas vamos com cuidado

Depois de toda a repercussão do empate entre São Bento x Palmeiras, fica difícil dizer que o Campeonato Paulista não vale nada.

Perdi as contas de quantas vezes ouvi o nome de Leandro Almeida sendo xingado por palmeirenses de todas as idades e de todos os cantos do mundo.

Embora seja apenas uma competição regional e todos os grandes estejam praticamente garantidos na segunda fase, a cobrança é imensa sobre todos.

Mesmo diante de um modesto São Bento, o rodízio de atletas pode ser arriscado. Jogar em casa é obrigação para todos os grandes e se algum atleta for mal numa partida como essa, suas chances no time podem terminar de forma abrupta.

No domingo, o experiente Alecsandro, que até agora não mostrou a que veio, foi vitima de vaias em Ribeirão Preto. Desta vez, no Pacaembu, foi o Leandro Almeida quem saiu vaiado de campo. Na verdade, ele nem deveria ter sido contratado.

O treinador gosta muito do jogador. Eu respeito o gosto dele, mas pro Palmeiras não dá. Marcelo Oliveira insistiu com o atleta e percebeu da pior forma possível que ele não pode ser titular.

Quem sabe agora, o zagueiro Nathan tenha mais chances, pelo menos no banco de reservas. Até o momento, nenhum clube se interessou no futebol do atleta, que segue aguardando para ser emprestado.

O que vão fazer com um zagueiro como esse Leandro Almeida, que veio caro pro Palmeiras? Não sei, mas titular ele não pode ser. Jamais.

Mas não foi apenas o zagueiro que foi mal ontem. Faltou a rápida compactação do time que a gente estava vendo nas outras partidas, uma maior aproximação entre meio-campo e ataque, etc…

Outro atleta que teve uma chance de limpar a sua barra com a torcida foi o lateral Egídio. Ao contrário do que aconteceu em Ribeirão, ele não aproveitou a oportunidade.

Mais uma vez, a “Avenida Egídio” se fez presente. O lateral do São Bento fez a festa por ali e, pra piorar, o nosso lateral foi muito mal também no apoio. Tem salvação?

Gabriel Jesus começou bem na partida, fez um golaço daqueles que costumava marcar nas categorias de base e ainda marca nos treino e sumiu no restante da partida.

Enfim, foi uma partida para esquecer. Criamos muitas chances, Lucas Barrios tem boa presença de área, mas a motivação e atenção devem ser mantidas contra qualquer adversário. Não dá pra vacilar.

Tão importante quanto o título do Paulistão é a tranquilidade que as vitórias trazem para a formação desta equipe que vai disputar competições ainda muito mais difíceis no decorrer da temporada.

Esse 2×2, apesar da emoção do gol nos descontos (valeu, Vitor Hugo), não ajuda muito.

Abraço a todos!