Respiramos um pouco, mas não muito

A providencial vitória contra o São Caetano por três a um no último sábado nos valeu uma pequena respirada na classificação geral. Subimos três posições, e agora ocupamos o décimo primeiro posto, portanto, voltando à zona de classificação para a “importante” Copa Sul Americana. Temos o mesmo número de pontos que o Fluminense, o décimo (estamos atrás por causa do saldo de gols), e o Botafogo, o décimo segundo (temos uma vitória a mais do que eles). São 13 pontos atrás do São Paulo, ainda líder, nove pontos distante da zona da Libertadores (mais especificamente do Grêmio, o quarto colocado), a três pontinhos do sétimo classificado (Figueirense), a dois do oitavo (Juventude) e a um do nono, este último o Cruzeiro, nosso próximo adversário, em partida a ser realizada em Belo Horizonte.O problema continua sendo o equilíbrio nas posições intermediárias. O novo time do ex-xodó Magrão, por exemplo, está a apenas três pontinhos de nós, na décima quinta posição. Mesma distância da Ponte Preta, a décima sétima colocada e primeira na aterrorizante zona de rebaixamento. Portanto, é como Raul Bianchi sempre diz: neste campeonato mala de pontos corridos, você cansa de ganhar e não sai do lugar. Se perde, no entanto, corre o risco de cair, e muito. Faltam quinze rodadas para o final, e daqui para frente, cada ponto ganho será fundamental, e cada ponto perdido custará muito. Como nossos próximos três jogos serão fora de casa, é cruzar os dedos e torcer para que possamos faturar muitos pontinhos.