RECEITA: como destruir um treinador em 60 dias (ou até antes) nas redes sociais

A receita para destruir o trabalho de um treinador é aplicada antes que ele possa “implantar a sua filosofia” no time e é muito simples.

Ela começa a ser dosada já no decorrer do Campeonato Paulista e resulta numa pressão irracional que acaba prejudicando o progresso do trabalho e/ou derrubando o treinador ainda no primeiro semestre.

Para que pensar em médio prazo, não é mesmo? Ou faz o time jogar logo ou…


Alguns elementos desta receita são:

Exigir que o time tenha “padrão de jogo” (ou seja lá o que isso significa) logo no começo de fevereiro.

Começar a repetir bordões do tipo “tal treinador não serve“, “fulano não tem a cara do meu time” ou “o elenco não vai respeitar esse cara”.

Criticar toda e qualquer alteração feita durante as partidas, principalmente quando o time perde. Ganhou é gênio, perdeu é burro.

Apontar uma “data limite” para a queda do técnico. Se não vencer tal jogo (que é geralmente o próximo), o treinador deve ser demitido sumariamente e, de preferência, no vestiário do time.

Concordar com todos os “analistas de mesa redonda” que exigem o sucesso imediato de qualquer equipe (principalmente o Palmeiras) que faça um grande investimento na temporada.

– Lembrar a cada partida o nome de um outro treinador. E garantir a todos os seus amigos que esse outro, geralmente ultrapassado e desempregado, faria um trabalho muito melhor do que aquele que está no comando.

Repetir “ad nauseum” que o fulano perdeu o vestiário. Outras pessoas farão o mesmo que você em todos os lugares, até mesmo dentro do próprio vestiário, onde o treinador ficará cada vez mais…perdido.

Depois de atingido o objetivo, você guarda a receita e saca ela do bolso alguns meses depois para pedir a cabeça daquele treinador que você “ajudou de forma indireta” a colocar no clube.

Abraço a todos!