Raça alviverde garante vitória histórica

O futebol é freqüentemente palco de injustiças históricas. O torcedor alviverde preparava-se para encarar mais uma delas, quando aos 42 minutos do segundo tempo, Cleiton Xavier, com um verdadeiro torpedo verde da intermediária adversária, mandou a bola no ângulo e abriu o marcador em Santiago. Um desses gols inesquecíveis, ainda mais se levarmos em conta que o meia, até então, não havia conseguido acertar uma única jogada de bola parada, recuando pelo menos umas três nas mãos do goleiro adversário. Mas quis o destino que ele, atleta com bons serviços prestados ao Verdão, desse uma justa vitória ao nosso Alviverde Imponente. Agora, estamos nas oitavas de final da Taça Libertadores da América.

Para quem sentia saudade do Palmeiras dos tempos do Felipão, não poderia ter sido um revival mais eficiente. Na primeira etapa, Vanderlei Luxemburgo surpreendeu a todos, entrando com Souza e Wendel no time titular, além de uma eficiente marcação que começava no campo do adversário.

Essa iniciativa travou o Colo Colo, que, de quebra, ainda perdeu, devido a contusão, Torres. Várias chances foram criadas, com Cleiton Xavier, aos 13m, e especialmente com Keirrison, que chutou na trave duas bolas, uma aos 23 (em bela jogada de Wendel e Maurício Ramos) e aos 28 minutos, além de perder outra boa chance aos 45 minutos. Ele não jogou mal, no entanto. Faltou sorte. A rigor, os chilenos tiveram apenas uma única chance, aos 33 minutos, com Barrios.

Só que a coisa começou a ficar apimentada na etapa final. Sem levar em conta aquela velha máxima de que “time que está jogando bem a gente não altera”, Luxa tirou Wendel, que vinha bem, botando Willians. A substituição não surtiu o efeito desejado, e ajudou a dar uma certa relaxada na marcação alviverde. Com isso, o Colo Colo viveu seu melhor momento, criando boas chances entre os 10 e os 20 minutos. Se desgraça pouca é bobagem, Pierre, que novamente fazia uma partida soberba, saiu contundido, dando aos 14 minutos o seu lugar a Evandro. 

Pior: Marcão tomou o segundo amarelo aos 17 minutos, e nos deixou com um a menos. Curiosamente, os chilenos não só não souberam aproveitar a vantagem numérica, como demonstraram pouca aplicação, provavelmente achando que o empate estava garantido. Aos 36 minutos, Diego Souza saiu contundido, dando lugar a Ortigoza, que logo a seguir deixou Willians na cara do gol. O ex-jogador do Vitória chutou forte, para boa defesa do goleiro adversário.

Aos 40 minutos, Maurício Ramos cabeceia, com a bola passando perto. E aos 42 minutos, a raça alviverde foi coroada com o golaço de Cleiton Xavier. Vitória típica de Libertadores, que coroou jogadores como Marcos, Souza, Pablo Armero……. Quer saber? Todos hoje merecem parabéns!

*******

Ouça também o Torpedo Verde, o boletim diário da Rádio Mondo Palmeiras.