Quem é que disse que só o Palmeiras dá vexame?

Uma coisa que venho notando há um bom tempo na torcida do Palmeiras é a auto-estima baixa. Explicável até um certo ponto, pela escassez recente de títulos, mas imperdoável para quem conhece a história desse time tão vitorioso e tão importante para o futebol mundial. E há um ponto que, particularmente, tem me irritado bastante. É a famosa frase “tem coisas que só acontecem com o Palmeiras”. É mesmo? Bem, que tal o mega vexame cometido pelo time de Muricy Ramalho no sábado, horário “exporrtevevê”, como diria Flávio Canuto?

Precisavam só do empate, jogavam em casa, saíram na frente, jogavam contra um limitado São Caetano e, mesmo assim, tomaram de quatro a um. Detalhe: já haviam sido eliminados em fase decisiva de paulistão, mais precisamente em 2004, pelo mesmo time, do qual viraram dóceis fregueses. Vexamão, heim? Essa mesma equipe perdeu títulos brasileiros em pleno Morumba para Grêmio (1981) e Vasco (1989) e Libertadores para o Velez Sarsfield, uma espécie de São Caetano argentino. Bem, falar de vexames do time da marginal chega a ser covardia, e vou ficar só nas duas desclassificações para o River Plate nas edições 2005 e 2006 da Libertadores da América. Ainda acham pouco?

E que tal o Internacional de Porto Alegre, que conseguiu a façanha inigualável de ser eliminado da Libertadores na primeira fase, papel ridículo que nem os times irregulares que mantivemos em 2005 e 2006 desempenharam? E o Real Madrid dos galácticos sem títulos? E essa lista poderia gerar milhões e milhões de caracteres.  Percebem? Nenhum time é detentor pleno das desgraças, assim como não existe aquele que ganha sempre. Essa é a graça do futebol. Então, da mesma forma que São Paulo, Internacional e Real Madrid andaram apanhando feio, porque nosso Verdão não pode voltar a ser um time vitorioso? Calma! Sem querer milagres, ou resultados do dia para a noite. Estamos no caminho certo. O brasileiro tem tudo para ser um momento de virada para nós.

O título é possível, porque não? Mas nossa participação poderá ser importante mesmo sem ele. Montar de vez uma base sólida, que nos permita um 2008 à altura de nossas tradições. E o futebol está nivelado por baixo. Ou alguém que viu os dois confrontos entre Santos e Bragantino irá ter a coragem de discordar de mim? Duas partidas feias, truncadas, com poucas chances de gol. O Santos não é o tal de super time? Porque não goleou o “pobre” Braga?