Prosa Verde: Tirone, a personificação da tragédia alviverde, a cara da derrota!

Bem, caros e nobres companheiros palestrinos, que, assim como eu, estão sofrendo o pão que o diabo amassou (quando falo diabo, leia-se Mustafá Contursi Goffar Majzoub) diante de mais um ano vexatório, inacreditável, onde tivemos meros e raros lampejos de esperança, principalmente com a conquista da Copa do Brasil, mas que no mais não passou de outro momento negro em nossa honrosa, mas maltratada história.

Se entregar ou continuar lutando?
E agora, mamíferos alviverdes, é chegada a hora de enfiar a viola na sacola e já começar a projetar o ano que vem ou ainda lutar para, quem sabe, contar com uma obra miraculosa dos Deuses do Futebol para escaparmos do descenso? Ainda estou na mesma situação da semana passada, a diferença é que a razão já começa a levar uma ligeira vantagem sobre o coração. A briga entre os dois está feia, ainda mais com a derrota para o Fluminense e da forma que foi, com requintes de crueldade, maltratando o coração alviverde, como se já não bastasse todo o sofrimento que nós temos passado…

De quem é a culpa? Quero ouvir em alto e bom som…
Se o pior vier a acontecer, quem deve ser responsabilizado? Para qual conta vai o rebaixamento? A resposta é simples: Diretoria. Essa é a minha opinião, e nem foi tão difícil assim responder, correto? Todos nós, seres racionais, cabeças pensantes, sabemos que presenciamos a pior administração do Palmeiras (quiçá do mundo) em quase cem anos de história, uma gestão estapafúrdia desde sua formação. Pituquinha e seu mesmo cabelinho partido há décadas jamais deveria ser mandatário de algo, nem de uma birosca de esquina, muito menos do Palmeiras.

A derrota estampada na cara
Mas o elegeram, colocaram na cadeira de presidente alguém incapaz de responder uma singela pergunta sem ter de fazer cara de choro e ficar nervoso, tremendo que só Jeep em “ponto morto”, como se diz no interior. Arnaldo Tirone é a personificação de nossa atual situação, algo medonho, fora de contexto, irreal. Um homem que pode até ter virtudes, mas que não nasceu com discernimento suficiente para compreender que não passa de alguém fraco, sem pulso, sem aquilo roxo, alguém que não veio ao mundo para comandar e sim ser comandado.

E ainda tem gente que põe a culpa no Luan ou no Márcio Araújo…
Enfim, para não acabar vomitando, Tirone incorpora perfeitamente o espírito perdedor, derrotado. Talvez não seja nem tão mau-caráter assim, ou melhor, tenho certeza que não, porque para ser mau-caráter é preciso ter astúcia, esperteza e inteligência, coisas que o nosso presidente anda longe léguas de possuir. Pena que alguns vândalos travestidos de torcedores não compreendam tudo isso e continuem ameaçando jogadores, depredando patrimônios do clube e atrapalhando ainda mais o que já está atrapalhado por demais. Quer se manifestar contra quem realmente é culpado? Basta perguntar a qualquer palestrino que ele dirá pelo menos vinte nomes que possuem culpa no cartório verde.

Dizia eu, que na aritmética…
Matematicamente ainda temos alguma chance, a última rodada foi excelente, pelo menos no que diz respeito aos resultados alheios. Melhor seria se aquela bola do Barcos, ainda no primeiro tempo, onde subiu sozinho no escanteio, tivesse pegado o rumo do gol, se a perna de Maurício Ramos não estivesse tentado interceptar o chute de Rafael Sóbis, ou se Diego Cavalieri tivesse, pelo menos por um lance, esquecido o que aprendeu com São Marcos e não tivesse agarrado o chute do mesmo Maurício. Era sorte de campeão com zica de (quase) rebaixado. Mesmo assim fomos valentes.
Restam três jogos e nove pontos em disputa. Não dependemos de nós, ou melhor, se dependêssemos apenas de nós a coisa talvez até estivesse sacramentada. Mas enfrentaremos três adversários totalmente comuns, nada de mais, que não brigam por mais nada, que já começaram a pensar em 2013. Já Sport e Portuguesa ainda enfrentam contra clubes que estão focados na competição. Impossível? Não, diria improvável.

Difícil? Sim. Desistir? Nem me pergunte isso!
Desistir prometo que não irei, só quando não houver mais nenhum resquício de possibilidade. Desistir não é o forte do palmeirense, não faz parte do nosso vocabulário, não nascemos para isso, desistir é para quem não crê que o Alviverde Imponente é capaz de tudo. Nossa história fala por si só. É lutar e se apegar aos derradeiros fiapos de esperança que ainda restam. Quem está comigo?

Plim Plim
Ah, já ia esquecendo: como o mestre Flávio Canuto já antecipou dias atrás, a Mídia Palestrina chegou ao Blog do Torcedor, do portal Globo.com, sob o comando do próprio ‘Magnata tatuiense’, que já está mandando ver por lá. Recebi o chamado do mestre para ajudá-lo como colaborador e, com imenso prazer, estarei rabiscando também no lugar dedicado ao torcedor palmeirense. Contamos com o apoio de todos vocês e lembrem-se: é a Mídia Palestrina ganhando espaço e força. Dizem que Flávio Canuto já está prestes a virar sócio da emissora carioca, mas isso é uma outra história…

Abraço a todos!