Péssimo quarto e mais longe do rebaixamento

Caros amigos: às vezes, eu me sinto torcedor da Ponte Preta, Figueirense, Botafogo ou outro time menos qualificado, quando faço o balanço do desempenho do nosso amado Verdão após cada nova rodada deste “emocionante” Brasileirão. Afinal, para quem tem quatro títulos deste torneio em nossa sala de troféus, lutar para ficar, no máximo, lá por um oitavo lugar e olhe lá, não é fácil.

Nesta rodada, graças a um indesejado empate em casa contra o Atlético (PR), perdemos mais uma posição na tabela, caindo para péssimo quarto, quer dizer, décimo quarto. Isso nos deixa a vexatórios 22 pontos do líder do campeonato (São Paulo, virtual campeão), a exagerados 12 pontos da Zona da Libertadores (Santos, o quinto colocado), a 5 pontos do oitavo colocado (Cruzeiro), a três do nono (Botafogo), a 2 do décimo (Flamengo), a 2 da cobiçada Zona da Sul-americana (Goiás), a um do décimo segundo (Juventude) e igual número de pontos do décimo terceiro (Atlético-PR, que nos supera por ter dois gols a menos de saldo negativo). Em 29 partidas, ganhamos 10, empatamos 7 e perdemos 12, com 46 gols a favor e inacreditáveis 50 contra, saldo negativo de menos quatro.

Para nossa sorte, a galera atrás de nós perdeu por atacado, ou seja, o pontinho ganho ajudou a nos distanciar ainda mais deles. Temos 3 pontos a mais do que o décimo quinto (Fluminense), 4 acima do décimo sexto (Ponte Preta) e 5 do nosso querido arqui-rival Corinthians (o primeiro da Zona do Rebaixamento, com incríveis 15 gols de saldo negativo). A rigor, apenas uma vaga está sendo disputada na zona do desespero, pois Fortaleza (28 pontos), São Caetano (26 pontos) e Santa Cruz (24 pontos) só escapam por milagre de jogar a Segundona em 2007. Nossos próximos jogos: Vasco, no Rio, e eles, sim, eles, o Corinthians, no Morumbi. Duas vitórias e lá se vai o fantasma do rebaixamento.