Paulo Baier fora do Palmeiras: ruim ou bom?

chamada17.gif

baier.jpgA notícia caiu feito bomba no Parque Antarctica, no dia de ontem: Paulo Baier não está mais treinando entre os jogadores do Verdão.

Pior: seu procurador, Neco Cirne, afirma que o atleta não vestirá mais nosso manto sagrado, alegando meses de atraso dos tais “direitos deimagem”. Nos bastidores, corre forte o boato de que existe uma proposta do Grêmio para o jogador, daquelas irresistíveis/irrecusáveis.

Ainda existe uma pequena chance de ele continuar em São Paulo, mas o próprio procurador a considera quase descartada. Certeza: ele não jogará contra o São Caetano.

Antes de começar aquela choradeira de todos, vou direto ao assunto:  essa situação só acontece com o Palmeiras? Óbvio que não. Após o surgimento da malfadada Lei Pelé, os atletas  profissionais deixaram de ser reféns dos clubes, como os comentaristas esportivos adoravam dizer, para caírem nas mãos dos tais agentes,  ou empresários, ou como quer que os chamemos. Nada contra, estão  dentro da lei. Mas sobra para os times, e para todos, sem exceção.

Ou alguém aí já esqueceu que o tal do São Paulo  perfeito e organizado já perdeu nesse tipo de situação  Danilo, Fabão, Amoroso, Lugano e tantos outros, nesses últimos
dois anos? O mesmo vale para o Corinthians com Tevez, Mascherano etc.

Quer saber? Baier é profissional, que vá jogar onde pensa ser  melhor para ele. O Leandro Camargo, da Savóia, certamente irá  comemorar. E se o atleta ficar, algo difícil, porém não
impossível, que ninguém perca tempo em ficar vaiando o cara. Profissionalismo  é isso. Quem vestir essa camisa com honra e dignidade sempre deverá  merecer o nosso apoio. E quem for embora, que seja feliz lá fora, pois  a vida do cidadão deixa de ser problema nosso. Simples assim. E viva o Palmeiras!