Palmeiras x Corinthians: um clássico de história

palmeirasxcorin.jpg

Foi em 6 de maio de 1917, há exatos 90 anos, que Palmeiras e Corinthians disputaram o primeiro clássico da história. E só mesmo o tempo para contar a dimensão de uma partida que rompe fronteiras cada vez que os “velhos” rivais se cruzam.”Acho que um não conseguiria sobreviver sem o outro. É um clássico de extrema importância por tudo o que já proporcionaram ao longo deste período. São dois gigantes do futebol brasileiro e acredito que seja um dos maiores clássicos do mundo”, disse o goleiro Marcos, que esteve em campo quando o Verdão eliminou o Corinthians nas Copas Libertadores de 1999 e 2000, inclusive defendendo o pênalti batido por Marcelinho Carioca, em 2000, fato que não sai da cabeça dos palmeirenses.

O goleiro Sérgio, que esteve em campo na histórica decisão do Campeonato Paulista de 1993, quando o Palmeiras venceu por 4 a 0 e se livrou de um jejum de 17 anos sem títulos, destaca para os aspectos que cercam o duelo.

“É um jogo diferente de qualquer outro, pela responsabilidade, as cobranças, e o próprio clima que antecede um clássico desse porte”, comentou.

Para Diego Cavalieri, Palmeiras x Corinthians é um duelo que qualquer jogador gostaria de participar. “Só sentindo na pele para explicar. Tudo muda quando acontece esse clássico, pois o clima e os detalhes são totalmente diferentes das outras partidas, e isso independente da situação dos dois clubes”, citou.

Nestes 90 anos de história, o Verdão leva vantagem nos confrontos. Em 333 partidas, foram 120 vitórias alviverdes [486 gols], contra 114 do Corinthians [445 gols]. Ocorreram 99 empates. No último, o Palmeiras venceu por 3 a 0, no Paulistão deste ano, partida que o técnico Caio Júnior se lembra com orgulho.

“Foi uma das minhas maiores emoções como profissional, até porque jogamos muito bem. Espero que, como treinador do Palmeiras, consiga disputar muito mais clássicos como este”, disse. “É um clássico especial”, completou o atacante Edmundo, autor de dois gols neste mesmo jogo.

Autor: Fábio Finelli