Palmeiras vence São Paulo de virada na Allianz Parque

A graça do futebol é a eterna capacidade de nos surpreendermos com ele. Em partida na qual estivemos várias vezes perto de uma derrota que seria desastrosa, o Palmeiras acabou se mostrando letal nos momentos chaves  e venceu o arqui-rival São Paulo pelo placar de 4 a 2 na tarde deste domingo (27) na Allianz Parque. Que presente de aniversário!

A partida começou de modo até promissor para o Palmeiras, que tentou abrir a defesa do São Paulo na base do toque de bola. A precisão nos arremates a gol, no entanto, mostrava-se muito fraca. E aos 12 minutos, em seu primeiro ataque, o adversário marcou, com Lucas Pratto lançando o jovem Marcos Guilherme, que dominou bem, livre, e chutou sem chances para Fernando Prass.

A partir daí, o que se viu foi um Verdão incapaz de dar um único chute decente a gol, tocando demais a bola e não conseguindo se mostrar agudo. Aos 16 minutos, em falha de Sidão, quase Willian marca, mas chutou para fora. O maior perigo nessa fase da partida a nosso favor foi esse, e olhe lá.

Aos 22 minutos, Lucas Pratto se chocou com um colega de time e saiu levado por uma ambulância, o que paralisou a partida por aproximadamente 5 minutos. Na volta, em contra-ataque, Marcos Guilherme teve a chance de matar a partida, mas mandou no travessão, com a bola quicando fora do gol, aos 30 minutos.

Quando a partida parecia caminhar para um resultado favorável ao São Paulo,  Michel Bastos acerta um belo cruzamento que encontra Willian. O atacante mata bem a bola e finaliza sem chances para Sidão, aos 35 minutos, empatando o marcador. Aos 37 minutos, Cueva arrisca e manda para fora.

Aos 39 minutos, Willian se mostra iluminado e faz um golaço, em boa jogada individual que culminou com um belíssimo chute. Aos 47 minutos, Tchê Tchê arrisca e por pouco não surpreende Sidão. Mas, aos 51 minutos, quando o primeiro tempo parecia concluído, mais uma surpresa negativa.

Em cruzamento na área alviverde, Hernanes dominou bem, livrando-se do seu marcador, e chutou não muito forte, mas o suficiente para vencer o goleiro alviverde e empatar o marcador do primeiro tempo, que em virtude das paralisações terminou aos 53 minutos, com um gostinho amargo.

Na segunda etapa, o Palmeiras continuou na sua estratégia de tentar penetrar na defesa tricolor na base dos toques, sem apresentar precisão. Mesmo uma furada horrível de Sidão aos 12 minutos não foi aproveitada pelo ataque alviverde. Aos 13 minutos, quase Gilberto faz, em contra-ataque, mas ele chutou mal.

Aos 28 minutos, aproveitando-se mais uma vez de contra-ataque, o São Paulo esteve na iminência de virar novamente a seu favor o placar, mas felizmente Rodrigo Caio finalizou mal, para fora. Aos 29 minutos, foi a vez de Hernanes vacilar, chutando fraco em bola que estava à sua feição para marcar.

Como é que dizia aquele velho clichê do futebol? Ah, sim: quem não faz, toma. E o Verdão fez isso aos 33 minutos, quando Deyverson, em bela jogada pelo setor esquerdo do ataque alviverde, passou com perfeição para Keno. Este finalizou com ainda mais perfeição, e marcou para o nosso Alviverde Imponente.

O São Paulo até tentou alguma coisa, mas se mostrava sem forças para reagir, sentindo o golpe. E, de quebra, o Verdão ainda aproveitou um contra-ataque para ampliar o marcador, com Willian dando passe certeiro para o jovem Hyoran fazer seu primeiro gol com o manto palmeirense, aos 46 minutos. Um final mais do que feliz para um clássico incrível.

As notas dos jogadores do Palmeiras:

Fernando Prass6,0– Não teve culpa nos gols, e não foi tão exigido, pois as principais chances o São Paulo chutou para fora.

Jean6,0– Atuação regular, sem grande brilho, mas sólida.

Edu Dracena6,5– Muita garra nos momentos decisivos.

Luan7,0– Teve falhas, mas também teve muitos desarmes e garra.

Michel Bastos7,0– A assistência para o gol de empate já vale a nota, mas ele jogou bem melhor do que em partidas anteriores e merece essa nota.

Bruno Henrique6,0– Muito esforçado. Saiu aos 15 minutos do segundo tempo substituído por Keno-8,0, que botou fogo na partida e ainda fez o gol que a decidiu, em lance de rara felicidade e habilidade.

Tchê Tchê6,5– Bem melhor do que em partidas recentes.

Moisés6,0– Ainda fora de jogo, mas mostrou muita dedicação.

Guerra4,0– O pior do time. Saiu aos 28 minutos do segundo tempo substituído por Hyoran-7,0, que deu mais movimentação ao time e ainda fez um gol de puro oportunismo.

Willian10,0– Falar o que de um cara que fez dois gols em um momento terrível do jogo para o Palmeiras e ainda deu a assistência para mais um?

Deyverson6,5– Bela assistência para o gol de Keno e muita garra. Saiu aos 35 minutos do segundo tempo substituído por Thiago Santos-6,5, que ajudou a garantir a vitória.