Palmeiras vence o São Bernardo e a desconfiança da torcida no Allianz Parque

Antes de tudo, é bom lembrar que o Cuca pediu as contas no final de 2016. Ninguém o demitiu, muito pelo contrário, a torcida quase que implorou para que o treinador continuasse no comando da equipe nesta temporada. Ele, que é dono do seu nariz e faz o que bem entender da sua vida, foi embora.

A cobrança seria gigante, qualquer que fosse o treinador escolhido para substitui-lo. As comparações são válidas, mas é preciso que o substituto tenha tempo para se mostrar apto (ou não) para o cargo. Ah, mas ele mudou demais o jeito da equipe jogar?

Também acho. Mas, se fosse pra manter tudo como estava poderiam ter contratado qualquer um. Montar um time de futebol não é como fazer um lanche no Mc Donald’s. Cada profissional tem as suas características próprias e vai tentar implantar os seus próprios métodos. Vai acertar, vai errar…até encontrar uma forma ideal para a nova equipe.

Para a partida de ontem, o pressionado Eduardo Baptista cometeu alguns erros na escalação da equipe. Roger Guedes voltou a jogar mal e merece ficar um bom tempo no banco de reservas. Eu também não insistiria no William no comando do ataque, acho que ele funciona melhor se jogar pelos lados e não fixo no meio da área. Por que não Barrios?

Fora isso, tudo certo. Mesmo sem estar 100% fisicamente, Moisés comandou o time no meio-campo e mostrou que é peça imprescindível para essa equipe. Camisa 10 mesmo.

Ainda assim, o time exagerou nas ligações diretas, marcou mal. Baptista precisa acertar logo quem dá o primeiro combate e também como o time vai sair jogando quando enfrentar equipes bem postadas na defesa, como esse São Bernardo (treinado pelo português “da Ferroviária”, o Sergio Vieira – lembram dele?).

Por conta dessas dificuldades, o primeiro tempo foi uma lástima. Muitos chutões, poucas chances criadas e, principalmente, muito sufoco lá atrás. Fernando Prass está ganhando ritmo de jogo e novamente salvou o Palmeiras em várias ocasiões.
O time só foi melhorar mesmo depois das alterações. As entradas de Raphael Veiga e Michel Bastos deram um novo ânimo ao time, que ganhou mais fôlego com a ótima performance do ótimo Bastos pelo lado direito e o primeiro gol veio logo em seguida. Dudu não comemorou com a torcida e foi “prestigiar” o treinador. Estranho, mas necessário.

Depois de aberta a porteira, o jogo ficou mais aberto e fácil. O árbitro marcou o pênalti sobre Dudu, numa jogada que teve início fora da área, e se redimiu de um erro grave. Zé Roberto havia sido pisado dentro da área e o juiz não viu. 2×0 e acabou o jogo ali!

Acredito que Eduardo Baptista vai continuar errando e acertando, como qualquer um que assumisse a equipe agora, mas terá um pouco mais de tranquilidade para trabalhar. Depois da partida de ontem, deu pra perceber que os jogadores realmente o apoiam e a ideia de trocar de comandante agora não está nos planos de ninguém lá dentro.

A próxima partida, em Araraquara, será contra o Linense, um adversário tecnicamente inferior ao São Bernardo (e Ituano). Temos que vencer, mesmo jogando longe do Allianz Parque.

Na próxima quarta-feira, voltaremos ao nosso salão de festas preferido. Repito: só os resultados é que trarão a tranquilidade necessária para o Eduardo seguir com o seu trabalho e ajustar a equipe. Vamos em frente!

Abraço a todos!