Palmeiras vence Náutico e dilúvio

chamada36.gif

O estádio se chama “Dos Aflitos, e, de fato, foi uma aflição jogar bola debaixo de tanta chuva. Mesmo assim, o Palmeiras conseguiu segurar o desespero do lanterna Náutico. Em plena Recife, e com gol aos 48 minutos e 53 segundos do segundo tempo (segundo o “Datapablo”), o popular “último segundo de partida”, conquistou uma vitória importantíssima. O gol ficou por conta do estreante Luis Henrique, que entrou no segundo tempo no lugar de Luis e mostrou ter estrela. Terceira vitória seguida, segundo jogo sem tomar gols, e Diego Cavalieri, há 320 minutos sem tomar gols, vira de novo a muralha a qual nos acostumamos em 2006.

Como seria de se esperar, Palmeiras e Náutico não fizeram um grande jogo em termos técnicos, pois o gramado enfrentado pelos atletas mais parecia um pantanal. De qualquer forma, o time pernambucano mostrou muita garra, e tentou criar jogadas pelas pontas e através das bolas paradas. No primeiro tempo, até conseguiu algumas chances, mas Diego se safou bem. Do lado verde, apenas um bom chute de Caio. Com a entrada de Leandro no lugar do apagado Valmir para a segunda etapa, a defesa verde ficou melhor postada, e o time de Kuki encontrou muita dificuldade para pressionar nossa equipe. Mesmo assim, teve algumas boas chances de abrir o marcador, mas o goleiro alviverde se mostrou em noite inspiradíssima.

Por sua vez, o Palmeiras tentou sair em contra-ataques rápidos. As entradas de Deyvid no lugar de Wendell e Luis Henrique no de Luis deram mais dinâmica ao setor ofensivo, e após duas boas jogadas anteriores, o gol acabou saindo no último lance, com Luis Henrique demonstrando oportunismo, tranqüilidade e categoria.

 Boa atuação da zaga, laterais apagados, meio-campo pegador (cartão injusto para Martinez) e destaque para a garra e aplicação de Makelele. E tome o Verdão subindo na tabela, para desespero dos derrotistas de plantão.