Palmeiras vence Linense, mas infelizmente perde Moisés

O domingo tinha tudo para ser de festa em Araraquara. A torcida palmeirense compareceu em bom número para prestigiar a equipe que precisava mesmo de apoio depois de uma semana recheada de críticas por todos os lados. Para alguns, aquela derrota para o Ituano era motivo para contratar um novo treinador.

O mesmo Eduardo Baptista montou a equipe para enfrentar o Linense já pensando no dérbi de quarta-feira: Zé Roberto e Guerra foram poupados.

Depois de ganhar várias chances, Roger Guedes deu lugar ao Michel Bastos, que havia entrado muito bem na partida de quinta-feira, contra o São Bernardo. Acertou!

Egídio também entrou muito bem na lateral-esquerda e pode ser utilizado mais vezes. Serão muitos jogos, muitas viagens e o Zé Roberto terá que ser poupado em várias outras ocasiões.

Infelizmente, perdemos um dos nossos principais atletas logo no início da partida. Um tal de Zé Antônio chegou com tudo no Moisés, que levou a pior. Ainda nem foram feitos exames detalhados, mas é claro que foi grave: pelo menos seis meses de molho. E o que o Luiz Flávio de Oliveira fez diante da violência extrema do Linense? Nada. O primeiro cartão saiu apenas no finalzinho da primeira etapa.

Ah, sim! E por onde andam os “Jênios” (com jota mesmo) que diziam por aí que o Palmeiras contrata jogadores demais? O ano mal começou e perdemos os nossos dois titulares do meio-campo!

Keno entrou no lugar de Moisés e botou fogo no jogo pelo lado direito do ataque. Liso, ousado, mas sempre buscando passar as bolas para os companheiros, ele fez a diferença. Foi de uma jogada sua que saiu o primeiro gol palmeirense, feito pelo criticado Wilian Bigode.

Mas quem roubou mesmo a cena foi o “pequeno gigante”. Jogando pelo lado esquerdo, Dudu participou de todas as jogadas dos gols palmeirenses e fez uma das suas melhores partidas vestindo o manto sagrado.

Depois do terceiro gol, o treinador palmeirense começou a pensar no dérbi. Felipe Melo e Wilian deram lugar para Thiago Santos e Lucas Barrios. Como quase sempre acontece, o argentino perdeu um gol feito e fez outro. Tá bão!

Mesmo com as alterações, o Palmeiras continuou com uma boa movimentação no ataque, com troca de passes intensa e dificultando muito a marcação por parte do time de Lins, que apelava pra porrada na maioria das vezes. É um time muito fraco.

É muito bom vencer, mas o Palmeiras ainda não está pronto. Claro que os jogadores já estão se acostumando melhor ao novo esquema, isso leva tempo mesmo, mas falta ritmo de jogo pra muita gente como, por exemplo, o Yerry Mina. Aliás, tudo indica que o zagueiro fica por aqui até a Copa de 2018. Ótima notícia!

Na quarta-feira, temos um campeonato a parte. 100 anos de dérbi é algo muito maior que qualquer competição e os atletas devem ter consciência da importância desta partida e jogar como se fosse uma final.

Estou exagerando? Claro que não! Uma vitória no dérbi vai dar ainda mais tranquilidade para que a comissão técnica siga fazendo o seu trabalho. É só isso que interessa agora!

Abraço a todos!