Palmeiras vence Flu nos penais e vai para a final da Copa do Brasil contra o Santos

Por Fabian Chacur

O coração do torcedor alviverde foi testado de forma cruel na noite desta quarta-feira (29). Após vitória por 2 a 1 no tempo normal da partida, o Palmeiras venceu o Fluminense por 4 a 1 nos penais e se classificou para a final da Copa do Brasil de 2015 na Allianz Parque, já na madrugada desta quinta. As quase 39 mil pessoas presentes saíram aliviadas e felizes! O adversário será o Santos, que atropelou o São Paulo na Vila Belmiro.

O Palmeiras veio para a decisão mostrando melhor organização do que em partidas anteriores, especialmente graças à entrada de Robinho no meio-campo. Aos poucos, foi chegando, e o primeiro lance um pouco mais agudo ocorreu com um cruzamento de Dudu que Diego Cavalieri defendeu bem.

Aos 8 minutos, Robinho recebeu belo passe de Dudu, ficou frente a frente com o goleiro do Fluminense e chutou forte, com bela defesa e saída da meta do arqueiro adversário. Aos 11 minutos, Fernando Prass fez bela defesa em jogada gerada de bola parada, a velha deficiência alviverde. Só um susto.

Com maior volume de jogo, o gol parecia estar próximo, e veio rápido. Aos 13 minutos, Robinho acreditou em uma bola que ficou dando sopa na defesa adversária, avançou pela ponta direita e cruzou, para belíssima conclusão de Lucas Barrios. O placar estava aberto, e o estádio veio abaixo.

Menos de dois minutos haviam se passado e já tínhamos um pênalti a nosso favor, em cima de Gabriel Jesus. Zé Roberto bateu mal, Diego Cavalieri rebateu, a bola pipocou na área e o oportunismo de Lucas Barrios rendeu aos 17 minutos o segundo gol do Verdão, o quinto dele contra o Fluminense.

A partir daí, o time carioca mostrou clara intranquilidade, além de sofrer com a falta de melhores condições de Fred e de outros de seus jogadores. Aos 22 minutos, Diego defende um bom cruzamento do Verdão. Aos 24 minutos, Fred recebe rara bola livre na área do Verdão, mas cabeceia para fora.

O garoto Matheus Sales mostrou confiança ao tentar um chute a gol de média distância aos 25 minutos. Fernando Prass novamente aparece bem, espalmando bom chute de Gustavo Scarpa. Aos 35 minutos, foi a vez de Cícero ter uma boa oportunidade, mas cabeceou para fora.

O Verdão ainda chegaria com perigo aos 46 minutos, quando Mateus Sales avançou bem pelo lado esquerdo do ataque palmeirense e cruzou. Lucas Barrios quase chegou, mas não conseguiu, em lance no qual ficou a dúvida sobre um possível pênalti por parte do defensor adversário.

Com o resultado nas mãos, o Palmeiras voltou mais recuado na segunda etapa, e atraiu de forma não muito inteligente o Fluminense para o seu campo. Aos poucos, o time carioca tomou conta da partida, e a saída de Robinho aos 17 minutos determinou ainda mais essa tendência da partida.

Ai, aos 24 minutos, veio o castigo, dos bravos. Em jogada iniciada após erro de passe do ataque alviverde, Gerson cruzou na área para Fred, mesmo em condições não tão boas de jogo, cabecear e fazer o gol do Fluminense. O jogo entrou em clima tenso, especialmente para o alviverde.

O Fluminense quase marca aos 37 minutos, com Gerson obrigando Fernando Prass a fazer uma grande defesa. Aos 44 minutos, Dudu marcou gol em jogada nascida em cobrança de falta, mas o juiz marcou acertadamente o impedimento. Logo a seguir, Prass fez uma bela defesa.

O torcedor alviverde quase morre do coração aos 47 minutos, quando, em jogada daquelas típicas de final de jogo, Fred recebeu livre, e mandou bala. Fernando Prass fez uma daquelas defesas espetaculares, mais de reflexo do que de qualquer outra forma, e ao menos garantiu a decisão por penais para seu time.

Nas cobranças de pênaltis, valeu o carisma de Fernando Prass, que viveu sua noite de Marcos na Allianz Parque. Pegou um pênalti cobrado por Gustavo Scarpa, e viu Gum mandar outro na lua, enquanto Jean fez um. Para o Verdão, Rafael Marques, Jackson, Cristaldo e Allione marcaram. Verdão na final!

As notas dos jogadores do Palmeiras:

Fernando Prass10,0– Uma partida digna de São Marcos, com direito a defesas decisivas nos 90 minutos e um pênalti defendido nas cobranças de pênalti. Vai que é sua, Prass!

Lucas6,0– Muita raça, embora não tenha tido uma partida tecnicamente tão boa. Mas não faltou raça.

Jackson6,5– Muita raça, muita dedicação, muito espírito de decisão.

Vitor Hugo7,5– Arrebentou mais uma vez. Esse é zagueiro para seleção brasileira. Deus da raça?

Zé Roberto6,5– Muita disposição durante o jogo todo, mesmo perdendo um pênalti.

Matheus Sales7,0– Entrou em fria e tirou de letra, com muita garra e determinação. Tem futuro esse garoto!

Amaral7,0– Jogo simples, com muita disposição e seriedade. Aí, sim!

Robinho8,0– Fez a diferença enquanto esteve em condições, com direito a uma assistência brilhante e a fazer a bola rodar. Saiu aos 17 minutos do segundo tempo substituído por Rafael Marques-5,5, que não foi bem, mas marcou um dos gols do Verdão na decisão por pênaltis.

Dudu6,5– A entrega e a dedicação de sempre, embora tecnicamente abaixo do que pode.

Gabriel Jesus6,5– O garoto vai se transformando em adulto. Buscou o jogo, sofreu o pênalti que gerou o segundo gol do Verdão e infernizou a defesa do Flu. Saiu aos 30 minutos do segundo tempo substituído por Allione-6,0, que entrou bem no jogo e ainda fez o gol da vitória na disputa por penais.

Lucas Barrios8,0– Dizer o que do cara que fez os dois gols que levaram o Verdão para a decisão por penais? Artilheiro! Saiu aos 38 minutos substituído por Cristaldo- 6,0, que só pelo gol na decisão por pênaltis já merece a nota. Valeu, garoto!