Palmeiras vence e convence no Pacaembu. Que venha o próximo…

Não me venha dizer que o time do Novorizontino é muito fraco! Não é, e até bem pouco atrás o Palmeiras se enroscava justamente jogando em casa com times como este. Isso não aconteceu nesta sexta-feira, no Pacaembu. Muito pelo contrário.

O Palmeiras não deu chances ao time do Novorizontino. Com a marcação alta desde o princípio, os atacantes palmeirenses sufocavam o jogadores do time de Novo Horizonte, que mal conseguiam sair passar do meio-campo.

Poucas vezes vi um Palmeiras tão seguro dentro de campo. O time tinha o domínio total da partida e apenas aguardava o momento certo para dar o bote e resolver o jogo.

Se na partida de ida, eles conseguiam descer com facilidade ao ataque pelo lado esquerdo da nossa defesa, desta vez não tiveram nenhuma chance. Com a entrada de Zé Roberto, que fechou bem o setor, ficou impossível para eles.

Eduardo Baptista escolheu Edu Dracena para a zaga e o Alejandro Guerra para o meio-campo. As duas escolhas foram acertadas, pois Dracena fez muito bem o seu papel lá atrás e até liberou espaço para que o Yerry Mina se arriscasse ao ataque.

O técnico Silas deixou uma marcação muito forte sobre o Felipe Melo e com isso o zagueiro colombiano aparecia no ataque como “elemento surpresa”. Que isso aconteça mais vezes, pois o Mina chega bem ao ataque com a bola nos pés e não apenas no jogo áereo!

Para mim, a melhor que coisa que aconteceu no Pacaembu, além da festa da torcida, foi ver o Alejandro Guerra em campo. Jogando muito bem, pelo meio, e por 90 minutos! Trata-se de um jogador diferenciado, mas que precisa de adaptação ao futebol brasileiro, embora já se entenda muito bem com o Miguel Borja.

Além de ser um excelente finalizador, Borja também tem visão de jogo, ótimo passe e consegue fazer muito mais do que golaços. E ele fez um belo gol no Pacaembu, depois de uma bela jogada de Michel Bastos.

Aliás, não faltaram boas jogadas, tabelas, triangulações no meio-campo e ataque. Espero que esta formação seja mantida também para a partida contra o Peñarol, inclusive com o Wilian Bigode do lado direito do ataque. Acho ele mais efetivo que o Roger Guedes.

Alguém ainda tem dúvidas que estamos no caminho certo?

Abraço a todos!