Palmeiras tropeça em casa e se complica no Paulistão

Pareceu reprise de filme de terror, tipo A Hora do Pesadelo 2. O Palmeiras jogando contra um time mega-inferior e situado na parte final da classificação. Mesmo na bacia das almas, a equipe consegue abrir o marcador e aí, de bobeira, cede o empate e não se mostra competente para vencer. No meio da semana, foi o Rio Claro. Desta vez, o Rio foi o Preto, mas o resultado pode ser considerado ainda pior, pois marcou o reencontro de mais de 23 mil torcedores alviverdes com o seu time de coração. Que, em troca, nos proporcionou um resultado que nos deixou ainda mais longe do G4.

A opção de Luxemburgo por escalar Martinez no lugar de David, na função de terceiro zagueiro, não deu a fluência de jogo esperada por ele. Mesmo assim, nossos jogadores conseguiram criar algumas chances de gol na etapa inicial, sendo a mais aguda uma bela cabeçada de Henrique, que o goleiro adversário desviou de forma corajosa. No entanto, a melhor oportunidade desse período esteve nos pés de Eder Baiano, mas o valoroso Wendel se incumbiu de salvar o gol do adversário. De quebra, nosso técnico foi expulso, ao reclamar pela não marcação de um pênalti em Valdívia (que não houve) e também pela sucessão de faltas cometidas pelo time interiorano.

Como forma de colocar mais gás na equipe, entraram em campo Lenny (no lugar de Pierre) e Denílson (na vaga de Diego Souza), e, após algumas tentativas, o gol inaugural enfim saiu, através de Valdívia, que concluiu de esquerda após cruzamento de Leandro rebatido com defeito pela zaga adversária. Pena que, apenas quatro minutos depois, o glorioso Xandão tenha subido livre no meio da zaga alviverde, dando ao apenas esforçado Rio Preto um pontinho precioso na sua luta inglória contra o inevitável rebaixamento. Com oito jogos a realizar, o Palmeiras não pode mais perder pontos, se ainda almeja chegar nas semifinais do Paulistão 2008.