Palmeiras perde para o São Paulo no Morumbi

Não foi desta vez que o Palmeiras conseguiu quebrar um tabu que totaliza 14 anos sem vencer o São Paulo no Morumbi. Em partida válida pelo Brasileirão 2016 na qual jogou muito abaixo do que se poderia esperar de um time que sonha ser campeão, os comandados de Cuca escaparam de uma goleada, perdendo por 1 a 0 na tarde deste domingo, gol de Paulo Henrique Ganso.

O início do Palmeiras foi dos mais promissores. Logo a 2 minutos, Dudu cruzou na área e Alecsandro cabeceçou, em boa defesa de Denis. Aos 5 minutos, boa investida de Jean tentou encontrar Gabriel Jesus na área, mas a zaga adversária conseguiu rebater para escanteio. Aos 7 minutos, Dudu chuta para fora, após mais uma jogada de perigo originada de cobrança de escanteio.

Aí, Dudu perde bola no setor ofensivo alviverde, e o São Paulo, com rapidez, arma o contra-ataque para Bruno cruzar. A bola quicou e Paulo Henrique Ganso se aproveitou da cochilada do zagueiro Thiago Martins para, de cabeça, abrir o marcador aos 11 minutos. E o jogo mudaria de feição, a partir dali.

Acusando o golpe, o time treinado por Cuca perdeu o ímpeto inicial, e começou a trocar passes sem conseguir penetrar na defesa são-paulina, enquanto o time da casa ficava de olho, aguardando por um novo contra-ataque providencial.

Duas chances ocorreram para os comandados de Bausa, um aos 33 minutos com Centurión cabeceando fraco e outra em cobrança de falta de Paulo Henrique Ganso que Prass pegou fácil aos 38 minutos. O Palmeiras não conseguiu chegar uma única vez com perigo depois de tomar o gol, perdendo-se em passes errados.

Com Rafael Marques e Moisés nas vagas de Róger Guedes e Thiago Santos, o Palmeiras repetiu o início do primeiro tempo, pressionando mais e ameaçando o adversário com belo chute de Rafael Marques aos 8 minutos, com boa defesa de Denis, e chute por cima de Alecsandro aos 12 minutos.

O São Paulo só voltou a incomodar aos 15 minutos, em chute forte de Paulo Henrique Ganso que Fernando Prass espalmou. Aos 16 minutos, Moisés mandou uma bomba, Denis rebateu e foi atingido sem intenção por Alecsandro, que tentava o rebote. Desgraçadamente, desse momento em diante o Verdão simplesmente sumiu em campo.

O time do Jardim Leonor tornou a vida de Fernando Prass um inferno, levando o goleiro alviverde a fazer uma série de grandes defesas a partir dos 22 minutos. Quando não era Prass, eram chutes para fora. E o Palmeiras não chegava nem com reza brava perto da meta adversária. No fim das contas, o 1 a 0 ficou de bom tamanho, tal a superioridade do inimigo nesta partida.

As notas dos jogadores do Palmeiras:

Fernando Prass8,0– Fez pelo menos umas cinco defesas difíceis, sendo o responsável pelo Palmeiras não sofrer uma goleada.

Tchê Tchê3,0– Sumido na partida, ineficiente no geral.

Thiago Martins2,0– Falhou feio no gol de Paulo Henrique Ganso e não conseguiu mais se recuperar, a partir daí.

Vitor Hugo6,0– Uma atuação regular, muito acima de seus colegas de time.

Zé Roberto5,0– Esforçado e lutador, mas não tem mais condições de jogar de lateral, especialmente contra jogadores rápidos como Kelvin e Centurión.

Thiago Santos-3,0– Muito mal, com direito a tomar um amarelo e a correr o risco de ser expulso ao enfiar a mão na bola de forma infantil. Saiu no intervalo, substituído por Moisés6,0-, que entrou muito bem na partida mas foi caindo com o decorrer da partida;

Jean4,5– Esforçado, mas muito abaixo do que pode render.

Dudu3,0– Voltou a ser o fominha de seus primeiros tempos de Palmeiras, tendo sido o responsável pelo contra-ataque que gerou o gol do São Paulo e por mais uns três que poderiam ter tido o mesmo fim. Precisa tomar uma dura do treinador, pois joga muito, mas não é o Cristiano Ronaldo.

Róger Guedes3,5– Começou até bem, mas depois sumiu de vez na partida, ao contrário de suas performances em partidas anteriores. Foi substituído no intervalo por Rafael Marques4,5– que afora um belo chute espalmado por Denis continuou sua sina de partidas fracas.

Gabriel Jesus5,0- Tentou ser o jogador decisivo que costuma ser, mas não foi muito ajudado pelos colegas. Saiu aos 31 minutos do segundo tempo substituído por Erik-2,0, que esbanjou timidez e não foi visto em campo.

Alecsandro5,0– Muito voluntarioso, mas sem grande inspiração.