Palmeiras perde para o Red Bull no Pacaembu

E o início da gestão Cuca no comando do Palmeiras continua um pesadelo.  Na noite desta quinta(24), o time comandado pelo consagrado treinador perde pela terceira vez seguida, desta vez para o Red Bull Brasil e pelo placar de 2 a 1, perante quase 15 mil pessoas no estádio do Pacaembu, pelo Paulistão 2016. Um horror!

A partida começou de forma tão morna que o primeiro momento agudo na partida ocorreu com a saída prematura de Dudu, substituído logo aos 9 minutos devido a uma contusão que o próprio jogador afirmou que não havia ocorrido, ao sair para o intervalo. Um mau presságio que se confirmaria a seguir.

Com um toque de bola insosso e nenhuma efetividade, o Palmeiras viu o Red Bull chegar aos 20 minutos, quando Fernando Prass defendeu chute em jogada surgida falha sua e aos 26 minutos, quando Roger recebeu livre na área, mas chutou em cima de Arouca e perdeu gol feito. Isso, sem se esforçar.

O Verdão chegou finalmente aos 29 minutos, em duas oportunidades desperdiçadas por Allione, o substituto de Dudu. A primeira, quando recebeu livre na grande área e, ao invés de chutar a gol, preferiu o passe, que saiu errado e matou o contra-ataque. E logo, depois, em cabeçada para fora.

O jogo ia modorrento quando Rafael Marques caiu na área, em possível pênalti. O juiz não marcou, os jogadores alviverdes vacilaram e Thiago Galhardo, em bela jogada, foi até o campo do seu adversário, driblou Fernando Prass e abriu o marcador em grande estilo, aos 39 minutos. Um golaço.

Tentando reagir, o Palmeiras chega com Rafael Marques, mas o atacante arremata de forma patética e facilita a vida do goleiro Saulo. E aos 44 minutos, Roger sobe e marca de cabeça o segundo gol do Red Bull, após cobrança de escanteio na qual a defesa alviverde assistiu o atacante adversário saltar.

Com Alecsandro na vaga de Jean (!!!), o Verdão voltou para o segundo tempo e o jogo se manteve da mesma forma, só que com o Red Bull mais acomodado com o placar favorável. Zé Roberto entrou aos 12 minutos na vaga de Erik, e logo a seguir Egídio mandou uma bola na trave, em boa cobrança de falta.

Aos 14 minutos, pouco depois de Mizael ter vacilado e perdido uma boa chance para o seu time, o Palmeiras chegou ao seu primeiro gol, com Alecsandro aproveitando oportunidade gerada por um cruzamento e por uma finalização infeliz de Robinho. Ainda havia tempo para uma virada.

Na base do abafa e sem muita organização, o Verdão foi para cima, e Egídio quase fez, em chute forte que Saulo espalmou. Aos 26 minutos, Allione perdeu outra boa oportunidade, ao chutar mal na hora em que deveria ter passado a bola. Como desgraça pouca parece ser besteira, Vitor Hugo bateu a cabeça em um adversário e teve de sair, deixando o time com um a menos.

Até o final, a coisa continuou na base do desespero, com Maílson vacilando e perdendo chance de ampliar o marcador aos 39 minutos. Aos 44 minutos, primeiro Alecsandro e depois Rafael Marques poderiam ter empatado, mas de novo o goleiro do Red Bull, aquele que tomou sete gols dos gambás quando defendia o Santos, evitou o empate.

As notas dos jogadores do Palmeiras:

Fernando Prass5,0– Aparentemente nervoso, teve algumas falhas, embora nenhuma delas resultando em gol.

Lucas3,0– Precisamos de um lateral direito. Para ontem.

Edu Dracena5,0– Ainda fora de jogo, mas esbanjou garra.

Vitor Hugo5,0– Regular, apesar dos pesares. Saiu machucado, o que inspira muita preocupação, pois é nosso melhor zagueiro.

Egídio6,0– Melhorou muito no segundo tempo, com direito a dois chutes perigosos a gol e muita qualidade no apoio ao ataque, ao contrário de sua performance em partidas anteriores.

Arouca4,0– Como primeiro volante, nesse momento, parece ser arriscado apostar nele.

Jean4,0– Perdido no meio de campo, como todos os seus colegas. Saiu no intervalo substituído por Alecsandro6,0-, que fez um gol e esbanjou garra, ao menos.

Robinho5,0– Se está em má fase, ao menos não fugiu do jogo, o que não significa muita coisa, no frigir dos ovos.

Dudusem nota– Saiu contundido logo aos 9 minutos do primeiro tempo, e foi substituído por Allione3,0-, que jogou possivelmente sua pior partida com a camisa alviverde, especialmente na hora das finalizações.

Rafael Marques4,0– Cadê aquele finalizador matador dos tempos do Oswaldo Oliveira?

Erik4,0– Bastante sumido na partida. Saiu aos 12 minutos do segundo tempo substituído por Zé Roberto-5,0, que se esforçou bastante, mas continuou com o festival de passes errados.