Palmeiras perde para o Nacional em casa

Em partida na qual o desempenho burocrático, a má arbitragem e a bem-sucedida catimba uruguaia prevaleceram, o Nacional do Uruguai venceu o Palmeiras pelo placar de 2 a 1 na noite desta quarta-feira (9) na Allianz Parque, em partida válida pela fase de grupos da Libertadores 2016. O resultado foi concretizado na etapa inicial, e coloca o time uruguaio no primeiro lugar do grupo. O Verdão é o segundo.

O Palmeiras veio a campo com uma proposta de dominar a posse de bola e não proporcionar espaços para o Nacional. E isso se concretizou durante boa parte da etapa inicial. Tocando a bola, o time foi tentando criar chances de gol, mas faltavam ou arremates ou passes mais precisos no momento decisivo.

Ainda assim, tivemos uma cobrança de falta de Robinho que se desvia no meio do caminho e vai para escanteio aos 7 minutos. Aos 23 minutos, Dudu tem a bola livre, na entrada da área adversária, mas chuta na Lua. Logo a seguir, é a vez de Jean, e o goleiro pega.

Gabriel Jesus, com muita movimentação, recebe livre na área, mas não consegue se livrar da marcação e chuta fraquinho, aos 31 minutos. Aos 32 minutos, é a vez do zagueiro Thiago Martins tentar a sorte, com um arremate para fora. A partir daqui, o Nacional passou a contra-atacar de forma mais efetiva, especialmente pelo lado esquerdo da defesa alviverde. E deu certo.

Lopez recebeu livre na área do Palmeiras e mandou de calcanhar, com a bola acertando a trave. Muita sorte, que não se repetiu aos 37 minutos, quando o mesmo Lopez aproveitou vacilada da defesa alviverde e, após driblar Fernando Prass, abriu o marcador.

Nem deu para respirar, pois aos 40 minutos, em outra cochilada alviverde, Garcia ampliou o placar. Mas vale ressaltar: no lance que antecedeu o lançamento para Garcia marcar, houve falta escandalosa em Cristaldo, não marcado pelo atrapalhado juiz.

O horror. O jogo parecia caminhar para uma desastrosa derrota em casa, algo terrível em Libertadores. Aí, Fucilli, ex-Santos, levou o segundo cartão amarelo e foi para o chuveiro mais cedo, aos 46 minutos. Logo a seguir, aos 48 minutos, Robinho tenta passar bola na área para Cristaldo, a bola rebate e chega em Gabriel Jesus, que com tranquilidade domina, dribla o goleiro e faz o gol.

Na etapa final, o que seria de se esperar ocorreu. De um lado, o time da casa indo pra cima do seu adversário. Do outro, os uruguaios totalmente fechados em sua defesa, dispostos a garantir o resultado de qualquer forma. E aí, a burocracia das bolas alçadas à área matou a esperança alviverde.

Só Vitor Hugo teve quatro chances de cabecear, todas para fora e nenhuma de forma perigosa. As substituições feitas pelo auxiliar técnico Tico dos Santos (Marcelo Oliveira, expulso, teve de cumprir suspensão) não surtiram efeito, e a partida virou um ataque x defesa sem grandes emoções.

Como normalmente ocorre nesse tipo de partida, as chances mais claras de gol vieram só no finalzinho. Aos 31 minutos, Robinho acertou um bom arremate, que o goleiro rebateu do jeito que deu. E aos 49 minutos, Lucas teve o empate, mas chutou de forma afobada e acabou acertando a trave adversária.

OBS.: LOGO APÓS A PARTIDA, FOI ANUNCIADA A DEMISSÃO DE MARCELO OLIVEIRA DO PALMEIRAS, NA MADRUGADA DESTA QUINTA-FEIRA (11). O ANÚNCIO FOI FEITO POR ALEXANDRE MATOS. O MORDOMO FOI O CULPADO. E QUE VENHA O PRÓXIMO PRÍNCIPE, PARA VIRAR SAPO TAMBÉM. PARABÉNS AOS ENVOLVIDOS….

As notas dos jogadores do Palmeiras:

Fernando Prass5,5– Não teve culpa nos gols e não fez grandes defesas.

Lucas3,0– Além da péssima partida, ainda perdeu chance preciosa de empatar a partida, no último segundo de jogo.

Vitor Hugo5,0– A garra habitual, mas vacilou nos gols, além de errar todas as cabeçadas no ataque.

Thiago Martins5,5– Melhor do que o colega de zaga, mas também vacilou nos gols adversários, especialmente no primeiro. Saiu aos 20 minutos do segundo tempo substituído por Egídio-2,0, que não fez absolutamente nada no repertório de chuveirinhos do segundo tempo.

Zé Roberto4,0– Insistiu em cruzamentos burocráticos e sem efetividade.

Thiago Santos5,5– O negócio dele é marcar, e isso ele fez bem, tanto como volante quanto na zaga.

Jean5,0– Nada de muito excepcional. Foi substituído aos 14 minutos do segundo tempo substituído por Allione-3,0, que simplesmente não repetiu as atuações da partida anterior e piorou o time.

Robinho5,0– Sua bola parada costuma ser a melhor do time, mas hoje também não se mostrou efetiva.

Dudu4,0– Muito apagado, só apareceu na hora das encrencas, caindo na catimba uruguaia.

Gabriel Jesus6,5– Muito bem no primeiro tempo, com direito a gol e a cavar expulsão de adversário. No segundo tempo, lutou, mas caiu junto com o resto do time.

Cristaldo4,0– Outro que caiu muito de rendimento. Saiu contundido aos 22 minutos do segundo tempo substituído por Alecsandro3,0, que não foi visto em campo.