Palmeiras perde para o Fluminense na Copa do Brasil

Por Fabian Chacur

O Fluminense saiu na frente no jogo de ida das semifinais da Copa do Brasil na noite desta quarta-feira (21) no estádio do Maracanã. Pela fraco desempenho demonstrado, o Palmeiras até que saiu no lucro, pois perdeu por 2 a 1, e conseguirá a classificação para a final do campeonato se conseguir uma vitória pelo placar de 1 a 0. Se possível, jogando bem melhor do que hoje.

O início da partida não foi das mais animadoras. O Fluminense tinha muito mais posse de bola, enquanto o Palmeiras entrava naquela de chutões e pouca organização na hora de sair jogando. O momento comédia ocorreu aos 9 minutos, quando o juiz pediu a troca de camisa do Verdão, da prateada para a branca, mantendo o calção prateado. Coisa de Solteiros x Casados…

Cícero conseguiu um bom arremate aos 14 minutos, mas Prass defendeu. Mesmo jogando muito mal, o Palmeiras conseguiu criar duas boas oportunidades nos contra-ataques, uma aos 23 minutos em finalização de Vitor Hugo e outra aos 24 minutos, com Gabriel Jesus cabeceando para fora após ótimo cruzamento de Allione. A esperança renascia.

No entanto, as bolas paradas acabaram sendo carrascas com o time de Marcelo Oliveira, mais uma vez. Aos 29 minutos, cobrança de escanteio encontrou Fred absurdamente livre. Ele cabeceou, Prass fez boa defesa mas Marcos Junior soube aproveitar o rebote e abriu o marcador para o time da casa.

Com o jogo dominado, parecia inevitável um novo gol do Fluminense, e isso ocorreu aos 42 minutos. Em cobrança de falta cometida de forma atabalhoada por Victor Ramos, a zaga de forma juvenil deixou Gustavo Scarpa livre, e ele chutou. A bola desviou de leve em Gum e entrou. 2 a 0.

Com Jackson e Egídio nas vagas de Victor Ramos e Andrei Girotto, o Palmeiras voltou um pouco melhor, e criou duas boas oportunidades de gol, uma aos 4 minutos em cabeçada de Jackson após escanteio cobrado por Egídio e em falta cobrada pelo mesmo Egídio, embora o chute não tenha sido dos melhores.

Aos 14 minutos, pênalti em Zé Roberto, que cobrou de forma impecável e diminuiu a vantagem do Fluminense. A partir daí, o jogo ficou perigoso, com o Palmeiras tentando o empate e o time da casa tendo mais espaços para contra-ataques. Dois gols anulados saíram, um de Amaral aos 23 minutos e outro de Marcos Junior aos 24 minutos.

Não fosse a precisão de Fernando Prass, o Fluminense poderia ter ampliado o marcador aos 30 minutos com Marcos Junior e aos 35 minutos com Gerson, mas nas duas oportunidades o goleiro alviverde saiu bem e matou os lances. No fim, a sorte conspirou a favor do onze alviverde. O jogo de volta ocorrerá em São Paulo na próxima quarta-feira (28).

As notas dos jogadores do Palmeiras:

Fernando Prass8,0– Não fosse ele e suas belas saídas do gol, a derrota teria sido bem pior. Como é bom ter um goleiro experiente!

Lucas5,0– Partida fraca do normalmente ótimo lateral-direito alviverde.

Victor Ramos2,0– Horrível na marcação, nos lançamentos, nas faltas que cometeu… Saiu no intervalo substituído por Jackson5,5-, que mostrou um pouco mais de capacidade do que o seu antecessor.

Vitor Hugo6,5– De longe o melhor da defesa, com direito a muita raça e consciência tática.

Zé Roberto6,5– Fez o gol alviverde e jogou melhor quando foi para o meio-campo.

Amaral5,5– O básico, com direito a um gol que acabou anulado.

Andrei Girotto3,5– Sofrível na marcação e lamentável com a bola nos pés. Saiu no meio tempo substituído por Egídio5,0-, que foi razoável no apoio, embora deixando belos espaços em suas costas para contra-ataques adversários.

Dudu4,5– Uma de suas piores partidas com o manto sagrado alviverde, com direito a muito nervosismo no primeiro tempo. Levanta a cabeça, garoto!

Allione5,0– Uma partida discreta, com alguns lampejos aqui e ali. Saiu aos 25 minutos do segundo tempo dando lugar a Rafael Marques-4,5, que mais uma vez jogou abaixo do que pode fazer em condições normais.

Gabriel Jesus5,0– Esforçado, lutou bastante, mas também foi fominha em alguns momentos importantes, e perdeu um gol feito no primeiro tempo.

Lucas Barrios3,0– Um cone teria tido melhor desempenho. Mas a bola não chegou com qualidade, é bom ressaltar.