Palmeiras perde o jogo, mas vai ganhar um novo “Salvador da Pátria”…

Todo mundo já sabe que o treinador Marcelo Oliveira caiu. Nem mesmo a conquista da Copa do Brasil foi suficiente para que o técnico conseguisse se firmar no comando da equipe.

A pressão nos bastidores do clube crescia na mesma proporção que a bagunça tática do time. Mesmo em 2015, com raras exceções, o Palmeiras conseguiu mostrar alguma organização tática dentro de campo. As vitórias conquistadas sobre adversários importantes na Copa do Brasil vieram mais base da raça e apoio da torcida.

A esperança de todos era que o elenco pudesse dar a volta por cima em 2016. O Palmeiras conseguiu fazer talvez a melhor pré-temporada de todos os times do Brasil, alguns bons reforços chegaram e aexpectativa da torcida foi lá em cima.

Bem, bastaram algumas rodadas contra times modestos do Campeonato Paulista para que o time apresentasse as mesmas deficiências da temporada anterior. Marcelo Oliveira até tentou promover mudanças no esquema tático e na escalação.

Várias formações foram testadas, mas os problemas da equipe persistiam e, pior, os gols não saem. Mesmo quando o Palmeiras cria oportunidades, poucos se prontificam para finalizar. Talvez por medo de errar, medo da vaia ou sei lá o quê.

A verdade é que Marcelo Oliveira, culpado ou não por esse estado de coisas, já não tinha forças para seguir no comando da equipe e a sua demissão até demorou muito para acontecer.

SÃO PAULO, SP - 08.03.2016: TREINO DO PALMEIRAS - O técnico Marcelo Oliveira, da SE Palmeiras, durante treinamento, na Academia de Futebol, no bairro da Barra Funda. (Foto: Cesar Greco / Fotoarena)

Para mim, ele é apenas um dos culpados. Chega a ser curioso que o responsável pela montagem do elenco foi também incumbido de comunicar a demissão do treinador e buscar a contratação do novo “Salvador da Pátria”.

O badalado diretor de futebol do Verdão também deve ser cobrado. O que justifica, por exemplo, a contratação de tantos volantes se não temos um lateral esquerdo confiável? Zé Roberto não vai aguentar o ano inteiro carregar o fardo da lateral esquerda.

Embora o “camisa 10 clássico” não exista mais, por que não temos outras opções para meio-campo? Robinho é bom jogador, mas precisamos de mais alguém, não dá pra confiar apenas no tal CX10 que vive machucado. Enfim, resolvemos um problema, mas temos outros abacaxis para descascar.

Uma imagem que tenho na mente da minha adolescência é a do então meia Cuca deslizando a mão direita em diagonal, do ombro à cintura, numa alusão à faixa a quando comemorava seus gols no Palmeiras.

Cuca sempre dizia que ser campeão no Palmeiras era um sonho que ele tinha e iria se realizar em breve. Quase isso, pois ele deixou o clube pouco antes do inesquecível título de 1993 e não ganhou nada como jogador do Verdão.

Será que esse sonho vai se realizar agora?