Palmeiras perde e se complica na Sul-americana

Por Fabian Chacur

Antes de entrar em campo na noite desta quinta-feira (11), no estádio de São Januário, no Rio, discutia-se se o Palmeiras deveria priorizar a Copa Sul-americana ou o Brasileirão.

Após o apito final da estréia dos comandados de Luis Felipe Scolari no torneio continental, surge outra pergunta: será que iremos passar da fase inicial? Afinal, mesmo com o freio de mão puxado, o Vasco ganhou por 2 a 0 e virá a São Paulo para o jogo de volta com boa vantagem.

A partida teve nível técnico muito fraco, mas começou até que animada, com boas chances aos 2 e 10 minutos para o Palmeiras e aos 5 minutos para o Vasco (com boa defesa de Marcos).

O problema é que o Palmeiras voltou a cair na armadilha que nos tem custado pontos e mais pontos: muita vontade e domínio de bola, mas péssimas finalizações, erros de passe cruciais e falhas em bolas paradas.

Após oportunidades aos 27 minutos em cobrança de falta de Marcos Assunção e aos 41 minutos de Patrik, o Vasco acabou abrindo o placar de forma quase casual.

Bernardo cobrou escanteio aos 42 minutos, a bola rebateu na defesa alviverde e literalmente bateu em Diego Souza, traindo Marcos e permitindo à equipe da casa sair na frente na etapa inicial. Antes, aos 45 minutos, Maikon Leite perdeu mais um gol feito.

Enquanto o Vasco se manteve atrás e ensaiando contra-ataques para matar o jogo, o Palmeiras continuou tocando a bola, tentando criar jogadas de gol e caindo em duas situações: ou finalizações horríveis, ou passes errados.

Kleber, a maior esperança de gols do Palmeiras, mais uma vez passou em branco (sete jogos sem gols), reclamando demais e criando chances reais de menos.

Aos 18 minutos, Dinei entrou na vaga do inoperante Maikon Leite e se saiu melhor, fazendo até um gol de cabeça aos 24 minutos que o juiz anulou, alegando impedimento.

Aos 34 minutos, Leandro acreditou em bola pelo lado esquerdo da defesa alviverde e cruzou para Elton finalizar, livre, de cabeça, liquidando de vez a partida.

Ainda tivemos duas boas defesas, uma de Fernando Pras aos 41 minutos, outra de Marcos, aos 45 minutos.

Agora, é preciso ou uma vitória com três gols de diferença ou uma por 2 a 0 para levar a decisão da vaga na próxima fase da Sul-americana nos pênaltis. E fica a pergunta: vale manter a esperança?