Palmeiras perde do Guarani e está fora do Paulistão

Mais uma vez, ficou provado que domínio de bola não significa tudo no futebol. O Palmeiras ficou muito mais tempo com a bola na partida realizada na tarde deste domingo (22) em Campinas. No entanto, errou bem mais do que o adversário. Resultado: Guarani classificado para as semifinais do Paulistão 2012, ganhando por 3 a 2. Novamente o time de Felipão é eliminado de um campeonato bem antes da decisão. Dolorosa e cara rotina.

O Palmeiras veio para a partida contra o Guarani com duas surpresas em relação ao que se esperava. Luan voltou ao time após dois meses fora, no lugar do contundido Maikon Leite, e Maurício Ramos na vaga de Leandro Amaro.

Nos primeiros 45 minutos, o alviverde paulistano dominou a partida e finalizou bem mais do que o seu adversário, embora sem criar chances agudas de gol. O Guarani ficou em seu campo, esperando uma falha do adversário para arriscar contra-ataques, mas teve poucas oportunidades.

Logo nos minutos iniciais do segundo tempo, no entanto, o Palmeiras voltou a errar muito, e o Guarani soube se aproveitar disso. Aos 5 minutos, Fumagalli cobrou escanteio, Deola vacilou e a bola entrou, em raro gol olímpico. O torcedor palmeirense nem teve tempo de se recuperar e já tomou outra traulitada na cabeça.

Após mais uma falha da defesa alviverde, Fabinho se aproveitou de jogada rápida e ampliou o marcador aos 7 minutos. A reação alviverde veio rápida, com Marcos Assunção aproveitando rebote do goleiro Emerson após bom cruzamento de Luan. 2 a 1. A esperança parecia voltar ao sofrido seguidor do Alviverde Imponente.

No entanto, o domínio territorial não se converteu em chances reais de gol. Valdívia entrou aos 15 minutos no lugar de João Vitor, mas pouco apareceu no jogo. A rigor, tivemos chances de gol em cobrança de falta de Marcos Assunção aos 18 e 30 minutos e com Luan aos 20 e 23 minutos.

Segurando o jogo e fazendo cera, o Guarani levou a partida adiante, e quase ampliou o marcador aos 33 minutos, em belo chute de Fabinho que Deola pôs para fora.

Aos 34 e 38 minutos, Felipão pôs em campo Fernandão e Patrik nas vagas de Daniel Carvalho e Luan, e aí ficou claro que a partida já estava decidida. O que esperar desses dois? Nada, não é mesmo? Milagres não ocorrem todo dia.

Infelizmente, a expectativa negativa se confirmou aos 45 minutos, quando Fabinho aproveitou mais um contra-ataque e sacramentou a classificação bugrina, que nem o gol aos 48 minutos de Henrique conseguiu evitar. Mais um campeonato perdido na triste história recente do casamento Palmeiras e Felipão.