Palmeiras perde do Atlético-MG em Belo Horizonte

Na noite deste domingo (9) no estádio Independência, em Belo Horizonte, nada deu certo para a equipe do Palmeiras.

O placar de 3 a 0 para o Atlético-MG não refletiu bem o que foi a partida, mas ajuda a complicar ainda mais a situação do alviverde na sofrida luta contra o rebaixamento no campeonato, que exigirá muitas vitórias e muita paciência por parte de todos os envolvidos.

Na primeira etapa, a partida teve como tônica muito vigor físico, faltas e algumas chances de gol. Nos 12 primeiros minutos, o Palmeiras esteve em vias de abrir o marcador, mas na primeira Victor mostrou que não estava para facilitar a vida do adversário.

Aos 20 minutos, Obina fez um gol de cabeça, mas o juiz marcou um impedimento que existiu. Aos 21 minutos, Valdívia fez falta desnecessária e tomou o amarelo de sempre.

A melhor chance do primeiro tempo ocorreu aos 39 minutos, quando Luan cabeceou e exigiu belíssima defesa de Victor. Poderíamos ter saído com a vitória, mas não aproveitamos a oportunidade. O preço seria bem caro…

Com duas alterações, o Atlético-MG de Cuca voltou bem melhor para a etapa final, e logo aos 7 minutos abriu o marcador. Ronaldinho Gaúcho bateu escanteio e Leonardo Silva fez de cabeça, sem ser importunado pela zaga palmeirense.

Aos 15 minutos, vendo o sufoco que sua equipe sofria, Felipão colocou Márcio Araújo e Maikon Leite nas posições de Artur e Thiago Real. A pressão do adversário continuou.

Corrêa, o melhor jogador do Palmeiras em campo, quase fez aos 25 e aos 35 minutos, ao roubar uma bola e chutar forte e depois em cobrança de falta. Ambas foram para fora.

Aos 38 minutos, o time mineiro aproveitou um contra-ataque rápido e ampliou o marcador, em finalização de Bernard.

O Palmeiras não desistiu, pressionou e esteve em vias de marcar em pelo menos quatro ocasiões, duas delas novamente nos pés de Corrêa. A segunda saiu em cobrança de falta, que Victor espalmou e cuja bola acabou estourando na trave.

Como desgraça pouca parece bobagem na atual fase alviverde, uma falha grotesca de Bruno e Leandro Amaro proporcionou o provavelmente gol mais fácil da carreira de Bernard, que aos 47 minutos encerrou o placar. 3 a 0.