Palmeiras perde clássico e pega Bragantino nas quartas

Por Fabian Chacur

Em clássico no qual teve dificuldade na hora das finalizações e também para conter a velocidade do rival no primeiro tempo, o Palmeiras perdeu para o Santos por 2 a 1 em partida realizada na tarde deste domingo (23) na Vila Belmiro. O resultado deixou o Verdão com a segunda melhor campanha da fase de classificação do Paulistão 2014. Nas quartas, o adversário será o Bragantino.

Desde o pontapé inicial, ficou claro que a partida teria o Santos tentando explorar sua velocidade em cima do jogo mais cadenciado do Palmeiras. As duas equipes tentavam impor seu estilo em campo, mas sem obter finalizações decentes e com real contundência nos primeiros 22 minutos de partida, quando Valdivia tomou cartão amarelo.

Coube a uma jogada de bola parada a tarefa de tirar o zero do marcador. Após cobrança de escanteio, o zagueiro Neto superou Marcelo Oliveira pelo alto e cabeceou com força, sem chances de defesa para Bruno, hoje na vaga de Fernando Prass. Com a vantagem, o time treinado por Oswaldo de Oliveira ficou com os espaços que precisava para contra-atacar.

Aos 32 minutos, o jogo poderia ter ficado com um perfil diferente, quando Alan Kardec deu um chute fantástico. Mas Aranha fez grande defesa, com a bola batendo na trave. E logo em seguida, aos 35 minutos, o lance capital da partida. Geovânio lançou Thiago Ribeiro, que, livre, venceu Bruno e ampliou o marcador a favor do time da casa.

Na etapa final, o Santos veio com o freio de mão puxado, mais interessado em garantir o resultado do que apostar novamente na correria. Por sua vez, o Palmeiras veio um pouco mais ligado, e criou boas chances com Alan Kardec aos 8 minutos, Bruno Cesar aos 11 e 13 minutos e novamente Alan Kardec aos 22 minutos, com Aranha mais uma vez brilhando.

As entradas de Patrick Vieira no lugar de Bruno Cesar aos 24 minutos e de Felipe Menezes na vaga de Egúren aos 28 minutos não mudaram a configuração da partida, sendo que as chances de gol passaram a se tornar cada vez mais raras, ou plenamente inexistentes, para ser mais preciso.

Quando parecia que nada mais iria acontecer, Juninho fez um grande cruzamento e Alan Kardec cabeceou para baixo, com precisão, finalmente vencendo o goleiro adversário aos 43 minutos. Patrick Vieira quase empata, também de cabeça, aos 46 minutos, mas a bola foi para fora.

As notas dos jogadores do Palmeiras:

Bruno – 5,5 – Não teve culpa nos gols e não foi muito exigido durante a partida, sem grandes defesas.

Bruninho – 5,0 – Discreto na lateral-direita e um pouquinho melhor quando foi deslocado para o meio-campo.

Lucio – 5,0– Só para o gasto na defesa, além de exagerar nos apoios infrutíferos ao ataque.

Tiago Alves – 5,5– Um pouco melhor do que Lúcio e mais eficiente do que Bruninho quando deslocado para a lateral-direita.

Juninho – 6,0– Eficiente na marcação e bom no apoio, com direito a um cruzamento perfeito para Alan Kardec no gol alviverde.

Egúren – 4,5– Fraco na marcação e nos passes, como tem sido sua praxe. Substituído aos 28 minutos por Felipe Menezes -3,5, que fez o que habitualmente realiza, ou seja, quase nada.

Marcelo Oliveira – 4,5– A raça de sempre, mas vacilou no primeiro gol santista e jogou abaixo de sua média.

Bruno Cesar – 5,5 – Ainda buscando uma melhor forma, mas já capaz de boas jogadas de gol e assistências. Deu seu lugar aos 24 minutos para Patrick Vieira – 5,0, que se esforçou e quase fez um gol no final.

Valdivia – 6,0– Apanhou bastante, buscou o jogo e tentou assistências, embora tenha jogado abaixo do que pode.

Leandro – 4,0– Outra partida fraca do promissor atacante alviverde, substituído aos 37 minutos por Vinícius-sem nota, que teve pouco tempo para realizar alguma coisa.

Alan Kardec -7,0– Bem acima do resto do time, foi muito bem nas assistências e finalizações, além de ter feito o único gol alviverde.