Palmeiras não ganha do Grêmio nem com um a mais em campo

Em partida na qual esteve com um jogador a mais desde os 17 minutos da etapa inicial, o Palmeiras se mostrou incompetente para transformar essa vantagem numérica em gols, e não passou de um empate de 0 a 0 contra o Grêmio na noite de sábado (1º) no estádio do Pacaembu, perante 12 mil resignados torcedores, no Brasileirão 2012.

Com Thiago Real estreando na vaga do só para variar ausente Valdívia (desta vez suspenso), o Verdão entrou tentando impor marcação cerrada, como forma de manter o Grêmio em seu campo defensivo.

Aos 17 minutos, Kleber, que já havia tomado um cartão amarelo por reclamação, fez falta feia em Henrique e acabou levando outro amarelinho, deixando sua equipe com 10 logo de cara.

A partir daí, o time alviverde dominou totalmente as ações e até criou várias oportunidades (nove, para ser mais preciso), mas pecou em seu mais acentuado defeito, a incapacidade de finalizar de forma positiva.

Tanto que a melhor chance de gol, no fim das contas, foi a única do Grêmio, em que Zé Roberto (o melhor jogador em campo) recebeu bom passe de Marcelo Moreno, driblou Bruno e ia fazer, se Thiago Heleno não salva (de forma lícita, por sinal), aos 44 minutos.

Pouco antes, aos 37 minutos, Felipão arriscou ao tirar João Vitor (curiosamente, quem mais finalizou a gol até ali, em três oportunidades) e colocar Maikon Leite.

Para a etapa final, o time veio com Correa no lugar de Artur. Até os 20 e poucos minutos, a alteração se mostrou produtiva, pois a equipe ganhou em bolas paradas, mas a incapacidade de finalização prosseguiu.

Pior: o time passou a não conseguir criar nada, mantendo a posse de bola de forma inútil. E Zé Roberto cria ótima jogada aos 10 minutos, mas Maurício Ramos salva a pátria alviverde.

Aos 19 minutos, a última alteração, com Luan dando sua vaga para Mazinho. Não adiantou nada, e a rigor o Palmeiras teve mais três chances até o fim da partida, desperdiçadas por seus atacantes, com Barcos e Maikon Leite.

No fim das contas, o empate mostrou que o ideal para o momento atual do Palmeiras seria jogar fechado na defesa e tentar sair para os contra-ataques, pois não tem a menor capacidade de jogar de forma ofensiva e pressionando seus adversários. Faltam capacidade de criação e finalização aos nossos jogadores, dois elementos decisivos para esse tipo de estratégia.