O Palmeiras já incorporou o espírito “felipônico”?

Com um time limitado tecnicamente, porém muito aguerrido, o Palmeiras está próximo de chegar uma final de campeonato.

No mesmo ano que tivemos uma participação ridícula no Paulistão (ficamos na pecaminosa 11a colocação), passamos por maus bocados no Brasileirão, resultado de uma desastrosa gestão do departamento de futebol.

Mas poucos meses após a chegada de Felipão, que ontem até deu banana para os adversários depois de tomar um rádio na cabeça, estamos a um empate da final da Copa Sul-Americana.

“Esse é o estilo do Palmeiras, com sofrimento, estou procurando encontrar um grupo com personalidade, caráter, mesmo sem uma qualidade maior, mas com força física. Com superação, queremos alcançar a final. Depois vemos o que vai acontecer”, afirmou o treinador ontem.

Aqueles que, principalmente na grande mídia, criticaram a contratação do treinador (“muito caro e já ultrapassado”, diziam eles), agora admitem que sem o técnico gaúcho, e seu estilo único, o Palmeiras não conseguiria nada. Ao mesmo tempo, dizem que falta muito para fazer desse Palmeiras, um grupo campeão.

Outros, por outro lado, preferem ver o atual momento do time como algo parecido com o que vivemos em 98, quando com um time um pouco melhor que esse vencemos a Copa do Brasil, e no ano seguinte, a Libertadores da América. E o início de uma nova era.

Na minha opinião, não é nenhuma coisa, nem outra…por enquanto. Ainda tem muita água para passar por baixo desta ponte.

Se não for isso, o que será?

Abraço a todos!