Palmeiras inicia 2020 com um grande ponto de interrogação

No início de 2019, todos achavam que o Palmeiras seria campeão de tudo. Em 2020, o sentimento é outro.

O elenco se reapresenta nesta segunda-feira, na Academia de futebol. Dia de testes físicos, exames e início de preparação física para a curta pré-temporada da equipe. A primeira partida (amistosa) está marcada para o dia 15/01, contra o Atlético Nacional (COL), na Florida Cup. 

No próximo sábado, o elenco viaja para Orlando, onde jogará também contra o New York City, no dia 18/01. A estreia oficial será quatro dias depois, contra o Ituano, no Novelli Junior (quase 7 mil KM distante da Florida), no dia 22/01.

Teremos novidades até a primeira partida do Paulistão? Acredito que esta é a grande dúvida do torcedor palmeirense neste início de ano. Nos últimos anos, apesar dos erros, o Palmeiras sempre foi um dos principais protagonistas no mercado da bola e buscava os melhores atletas antes dos rivais. 

Neste ano, sob o comando de um discutível comitê gestor, o Palmeiras voltou a ser um clube comum. Se o cofre não está cheio para ir às compras, falta criatividade e ousadia para negociar os vários jogadores do elenco atual que interessam a outros times brasileiros. 

Teremos nesta segunda-feira, uma coletiva de imprensa com Lucas Esteves, Patrick de Paula e Gabriel Menino. A aposta na base é válida, e era algo que todos queriam, mas não podemos colocar todo a responsabilidade nas costas dos garotos. Nove jogadores das categorias de base vão subir para o profissional.

Os mesmos que hoje estão clamando por mudanças e pedindo a base, daqui a pouco vão “queimar” os jovens talentos se os resultados não chegarem. 

Também falta agilidade para que o elenco seja, de fato, renovado. Alguns atletas simplesmente não poderiam se reapresentar na Academia de futebol. Se, na estreia do Paulistão, o Deyverson, por exemplo, estiver em campo vai parecer que regredimos para 2012, quando o amadorismo era a regra. 

Abraço a todos!