Palmeiras goleia Fluminense em noite de gala de Barrios

Poucas vezes o Palmeiras jogou de forma tão diferente de um tempo para o outro em uma partida recente. Na noite deste sábado (16) no Maracanã, o Verdão saiu perdendo por 1 a 0 no intervalo jogando mal demais. Na etapa final, no entanto, o time cresceu e atropelou o Fluminense, ganhando por 4 a 1 e quebrando um tabu de oito anos sem ganhar deles no Rio. Incrível!

Com seis resultados negativos consecutivos nas costas e pressionado pela torcida, o Fluminense veio a campo tentando dominar as ações, e aos 3 minutos Gerson chutou forte e obrigou Fernando Prass a desviar para escanteio. Aos 9 minutos, uma cobrança de falta do time carioca foi para fora.

Visivelmente nervoso, o time da casa começou a errar passes e a não criar nada de efetivo. E o que o Palmeiras fez para se aproveitar desse estado de coisas? Nada. Toque de bola amorfo e tentativas de ligação direta, sem conseguir chegar nem sequer perto do gol adversário. Isso deu confiança ao Flu, que quase fez aos 26 minutos, com Fred perdendo gol feito após cruzamento.

Quando a etapa inicial aparentemente caminhava para um empate insosso, a defesa alviverde tratou de facilitar as coisas para o tricolor carioca. Após bola na área, Jackson rebateu de forma bisonha na direção da entrada da sua área. Jean aproveitou e chutou forte, sem chances para Prass, abrindo o marcador aos 36 minutos. O coração de ouro alviverde entrava em cena.

O primeiro chute a gol do Verdão ocorreu apenas aos 41 minutos, e ainda assim um traque que Diego Cavalieri defendeu com facilidade. Aos 44 minutos, Victor Ramos cabeceou e levou um certo perigo ao adversário, mas ficou por aí a “reação” dos comandados de Marcelo Oliveira. Um horror.

Com Rafael Marques no lugar de Egídio, o Palmeiras voltou melhor e criou duas boas chances logo no começo, aos 4 minutos com Gabriel Jesus e aos 7 minutos com Alecsandro, obrigado Diego Cavalieri a fazer duas defesas difíceis. Só que, aos 16 minutos, o juiz marcou pênalti de Prass em Cícero.

Fred, que costuma dar muita sorte contra o Palmeiras, pegou a bola e ia cobrar para praticamente definir o jogo. Com 2 a 0 à frente, ficava complicado para o adversário reverter o placar. Mas o centroavante brasileiro na Copa de 2014 bateu para fora. Instantes antes da cobrança, Lucas Barrios entrou na vaga de Alecsandro. E o jogo mudaria muito.

O argentino naturalizado paraguaio botou fogo no jogo, junto com Allione, que entrou aos 22 minutos na vaga de Allione. E aos 23 minutos, Barrios empatou o jogo, aproveitando rebote de finalização de Gabriel Jesus. Ele quase desempata aos 25 minutos, em cabeçada que Diego Cavalieri desviou.

Em falha de Robinho, Fred teve outra boa chance aos 28 minutos, mas a defesa alviverde conseguiu se recuperar. E aos 30 minutos, a virada. Marcos Júnior vacila, Gabriel Jesus rouba-lhe a bola e, com frieza cirúrgica, vence nosso ex-goleiro e coloca seu time em vantagem no marcador.

Prass ainda faria uma grande defesa aos 32 minutos, mas a partir daí só deu Verdão. O terceiro gol parecia inevitável, e de fato veio aos 44 minutos. Antônio Carlos deu uma furada histórica e Barrios, que não tinha nada a ver com isso, pegou a bola, avançou e fuzilou o goleiro tricolor.

Cabia mais. Aos 48 minutos, tocando a bola com facilidade, o time chegou na cara do gol, e Gabriel Jesus ofereceu a Lucas Barrios seu terceiro gol na partida, a primeira feita por ele com a camisa 8 que ele afirma ser seu talismã, seu número de sorte. Melhor acreditar nele.

As notas dos jogadores do Palmeiras:

– Fernando Prass6,0– Boas defesas e um pênalti que não sei se foi, mas que ele induziu Fred a perder.

Lucas6,0– Discreto, melhorou junto com o resto do time na etapa final.

Victor Ramos6,5– Regular e sem invencionices na zaga.

Jackson5,0– Falha grotesca no gol do Fluminense e um primeiro tempo tenebroso. Melhorou depois.

Egídio4,0– Outra partida apagada desse bom lateral-esquerdo. Saiu no intervalo, substituído por Rafael Marques6,0-, que se não foi brilhante deu mais mobilidade ao meio-campo

Thiago Santos7,0– Um lutador, o melhor do time nos desarmes.

Arouca6,0– O mais lúcido no primeiro tempo horrível do time, saiu com o supercílio sangrando após disputa de cabeça aos 22 minutos do segundo tempo. Substituído por Allione-7,0, que com habilidade e toque de bola fácil agitou o jogo.

Robinho5,5– Correu o tempo todo, mas cometeu algumas falhas, incluindo uma no segundo tempo que poderia nos ter custado fora. Ele joga mais do que isso.

Zé Roberto5,5– Irreconhecível na etapa inicial, evoluiu com o resto do time na etapa finalo

Gabriel Jesus8,0– Sumido no primeiro tempo, arrebentou após a entrada de Barrios, fazendo uma dupla infernal com o argentino paraguaio. Fez um golaço de pura frieza.

Alecsandro4,5– Fez o que pode, mas a bola não chegava nele enquanto esteve em campo. Saiu aos 16 minutos substituído por Lucas Barrios-10!-, que revolucionou a partida, fazendo três gols e acabando com a fraca defesa do Fluminense, que até então dava conta do recado.