Palmeiras ganha de virada da Ponte no Pacaembu

Por Fabian Chacur

Em partida bastante disputada e na qual teve como mérito criar mais de 40 chances de gol, o Palmeiras venceu na tarde deste sábado (15) a Ponte Preta pelo placar de 3 a 2. O resultado mantém a equipe alviverde na disputa pelo primeiro lugar na fase de classificação do Paulistão 2014.

Para quem esperava uma escalação “alternativa” para o confronto de hoje, Gilson Kleina trouxe a campo um time muito próximo do titular que os torcedores imaginam, especialmente pela inclusão de Valdivia e Bruno Cesar juntos. Só que as coisas começaram meio esquisitas para o Alviverde Imponente, para temor dos quase 12 mil torcedores presentes.

Logo aos 2 minutos, em seu primeiro ataque, a equipe abriu o marcador. Em contra-ataque rápido e bola cruzada da direita para a esquerda da defesa do Verdão, Juninho vacilou e Rossi tentou duas vezes, uma de cabeça e a outra, certeira, no chão. Isso complicou um pouco as coisas para o time da casa, que precisou enfrentar uma retranca forte.

Só aos 15 minutos o Palmeiras conseguiu ameaçar o gol adversário, em boa jogada de Valdivia que Bruno Cesar concluiu com força para fora. Aos 17 minutos, foi a vez de Lúcio tentar um arremate de longa distância, com a bola também passando perto. Durante alguns minutos, o jogo ficou bastante travado, com o Verdão não conseguindo abrir a defesa adversária.

Curiosamente, foi a partir dos 31 minutos, quando uma bobeira da zaga alviverde quase gera um gol contra para a Ponte Preta, é que o Verdão começou a engrenar na partida. Até o fim da etapa inicial, foram ao menos oito boas oportunidades de gol, protagonizadas por Bruno Cesar, Juninho, Valdivia, França e Tiago Alves. Mas o bombardeio não deu frutos.

Com a mesma boa performance da fase final do primeiro tempo, o Verdão quase empata logo a 1 minutos, com Alan Kardec. Bruno Cesar aos 4 e 6 minutos e França aos 5 minutos também passaram perto. A Ponte só ameaçou aos 10 minutos, em forte arremate de Silvinho que foi para fora, enquanto Valdivia ameaçou o gol campineiro aos 13 minutos com um chute caprichado.

Aos 15 minutos, enfim o empate do Verdão. Bruno Cesar bateu falta, o goleiro Roberto rebateu e Egúren, como se fosse um centroavante oportunista, não perdoou. Logo a seguir, Carleto derrubou Bruno Cesar na área e o juiz marcou o pênalti, que Alan Kardec converteu com segurança e sem dar chances a Roberto aos 17 minutos.

Leandro poderia ter ampliado o marcador aos 20 minutos, mas chutou para fora após cruzamento preciso de Alan Kardec. Só que aí foi a vez de o Palmeiras vacilar, em pênalti de Wendel em Silvinho surgido em contra-ataque. O próprio Silvinho mandou uma bomba e empatou a partida, aos 25 minutos. As coisas ficavam novamente complicadas.

Com Patrick Vieira na vaga de Bruno Cesar, o Palmeiras foi pra cima da Ponte com tudo, e voltou a criar boas chances de gol, mas dando espaços para contra-ataques do adversário, como um aos 29 minutos no qual Antônio Flávio ficou livre e mandou um balaço na trave de Fernando Prass.

Aos 30 minutos, Mendieta ficou com o lugar de França e o time ficou ainda mais ofensivo e insinuante, com belas trocas de passe e finalizações perigosas. Silvinho por pouco não liquida o jogo em favor da Ponte, mas se intimidou com a saída do gol de Fernando Prass, além de perder velocidade, e chutou fraco aos 40 minutos.

Aí, em nova jogada muito rápida e bem concatenada, Valdivia lançou Alan Kardec, que cruzou com categoria para Mendieta. O paraguaio mandou pro fundo da rede da equipe treinada por Vadão e, aos 42 minutos, determinou a merecida vitória do Palmeiras, a 11ª neste Paulistão 2014.

As notas dos jogadores do Palmeiras:

Fernando Prass – 6,5– Não teve culpa nos gols, mas também não foi muito exigido como em partidas anteriores.

Wendel – 5,5– Discreto, vacilou na hora do pênalti, mas esbanjou entrega e determinação durante todo o jogo.

Lúcio – 6,0– Seguro, teve um desempenho regular e sem vaciladas, comandando bem o sistema defensivo do Verdão.

Tiago Alves – 6,0– Para quem não jogava como titular há um bom tempo, mostrou segurança e eficiência.

Juninho – 6,0– Embora tenha falhado no primeiro gol da Ponte, mostrou personalidade e foi muito bem no apoio.

Egúren – 5,5– Fez um primeiro tempo pavoroso com direito a inúmeros erros de passe, mas melhorou na etapa final e ainda fez um gol de puro oportunismo.

França – 6,0 – Um volante raçudo que tem certa habilidade e que ajuda muito seu time. Saiu aos 30 minutos para dar lugar a Mendieta- 6,5– O paraguaio entrou com tudo, dando bons passes e de quebra fazendo o gol da vitória do Alviverde Imponente.

Bruno Cesar – 6,5– Sua melhor partida com a camisa alviverde. Bons passes, diversos chutes a gol e a cobrança de falta que originou o empate. Deu sua vaga aos 25 minutos a Patrick Vieira- 5,0, que se não foi uma maravilha ao menos correu e incomodou a defesa campineira.

Valdivia- 6,5– Boas assistências e chutes a gol, além de se entender bem com Bruno Cesar, em dupla que promete ser promissora.

Leandro – 4,5 – Muito apagado no jogo, perdeu ao menos um gol feito. Saiu aos 36 minutos para a entrada de Vinícius – sem nota-, que não teve muito tempo para mostrar serviço.

Alan Kardec – 6,5– Fez um gol e deu assistência para outro, além de ser sempre boa opção para tabelas e não dar uma de fominha, como alguns centroavantes goleadores fazem.