Palmeiras ganha de virada da Chapecoense no Pacaembu

Por Fabian Chacur

Em partida na qual jogou melhor do que o adversário, mas na qual esteve muito perto de perder em alguns momentos, o Palmeiras venceu a equipe da Chapecoense pelo placar de 4 a 2 na noite desta quinta-feira (2) no estádio do Pacaembu. O resultado tirou o clube da zona do rebaixamento do Brasileirão 2014 antes mesmo do fim desta rodada.

Com o retorno de Wesley e a escalação de Valdivia garantida por um efeito suspensivo, o Palmeiras veio a campo com uma escalação mais consistente, e se mostrou superior desde o início, com Victor Luis exigindo boa defesa de Danilo aos 4 minutos e João Pedro sofrendo um pênalti aos 9 minutos que o árbitro não marcou.

Henrique quase abre o marcador aos 13 minutos, mas Rodrigo Biro salvou. A Chapecoense só ameaçou o gol alviverde aos 23 minutos, em chute de Ricardo Conceição, e logo aos 25 minutos, quando Deola fez duas defesas, a última em chute não muito inspirado de Camilo. Wesley aos 34 e Juninho aos 39 minutos tiveram outras oportunidades, ambas para fora.

Aí, a velha máxima do futebol- quem não faz, toma- se concretizou pela milésima vez nesta temporada em uma partida do Alviverde Imponente. No primeiro bom contra-ataque da equipe Catarinense, Leandro recebeu livre aos 40 minutos e chutou até que não tão bem, mas Deola aceitou. Embora injusto, o time visitante estava na frente do marcador.

Para piorar o clima, o Verdão teve duas ótimas chances para empatar a partida, mas o goleiro Danilo se mostrou bastante atento em ambas, uma aos 41 minutos em cabeçada de Henrique e outra ainda mais aguda, aos 45 minutos, em belíssimo chute de Victor Luis que o goleiro tirou na base do milagre.

A segunda etapa teve início com a Chapecoense mais ativa na partida e o Palmeiras desorganizado, provavelmente ainda sentindo o efeito do gol sofrido. Logo a 2 minutos, Fabinho perdeu um gol inacreditável, totalmente livre, e aos 6 minutos os catarinenses novamente não conseguiram ampliar o marcador, em boa (e rara) defesa de Deola.

Aí, os deuses da bola resolveram conspirar a nosso favor. Poucos segundos após, Wesley recebeu bom passe de Valdivia, girou e deu um belo chute a gol, que Danilo não teve como segurar. Estava empatado o marcador. Logo aos 8 minutos, a virada poderia ter vindo, com Henrique cabeceando e exigindo boa defesa do goleiro da Chapecoense.

Aos 12 minutos, no entanto, não teve jeito. Wesley cobrou escanteio pelo lado direito do ataque alviverde, Valdivia desviou e Henrique concluiu no melhor estilo centro-avante, para delírio dos mais de 15 mil torcedores presentes ao Pacaembu. Aos 21 minutos, pênalti para o Verdão, que Henrique cobrou com precisão, ampliando o marcador.

A torcida nem acreditou quando, aos 24 minutos, novo (e existente) pênalti foi marcado a favor do Alviverde Imponente. O artilheiro Henrique foi lá e fez mais um, ampliando para 4 a 1 o placar a nosso favor. Parecia um sonho. A partir daí, o time adversário até que tentou alguma coisa, mas sem grande contundência, e o Palmeiras controlava o jogo.

Quando as cortinas já se preparavam para serem fechadas, aos 46 minutos, a Chapecoense conseguiu seu segundo tento, novamente com Leandro e em contra-ataque eficiente que o goleiro Deola mais uma vez aceitou sem pestanejar. Mas aí nossa vitória já estava devidamente concretizada, para felicidade geral do nosso sofrido torcedor.

 

As notas dos jogadores do Palmeiras:

Deola3,0– Não dá a menor segurança ao torcedor, tendo tomado gols defensáveis e feito apenas uma defesa realmente importante. Está na hora extra de jogador do Verdão.

João Pedro5,0– Muito esforçado e raçudo, mas seu setor foi o mais explorado pelo adversário, algo que não pode se repetir em partidas contra times mais bem estruturados.

Lúcio5,5– A raça e a segurança de sempre.

Gabriel Dias5,0– Fez boa dupla com Lúcio.

Juninho4,5– Correu bastante, mas foi muito discreto, especialmente no apoio.

Marcelo Oliveira5,0– A entrega ao time que o caracteriza.

Victor Luis5,0– Foi importante na marcação e na criação.

Wesley6,0– Embora ainda fora de jogo, fez um golaço e deu assistência para o segundo gol, sendo portanto decisivo para a virada do Verdão. Saiu aos 30 minutos dando lugar a Bruno Cesar-4,5-, que ajudou a manter a bola no ataque, embora sem brilhantismo.

Valdivia5,5– Mediano na criação, mas melhor com ele do que sem ele. Substituído aos 37 minutos por Bruninho-sem nota.

Diogo-5,0- A garra e a dedicação de sempre. Saiu contundido aos 39 minutos, substituído por Cristaldo4,5-, que deu o sangue e esbanjou garra, só vacilando quando quase brigou com Henrique para bater o pênalti que gerou o terceiro gol, mas logo se reconciliou com o nosso artilheiro.

Henrique6,5– Fez três gols e provou mais uma vez que, se não é um Evair, consegue fazer mais gols do que qualquer jogador do nosso elenco atual.