Palmeiras esbanja incompetência e perde do Coritiba

Durante os 90 minutos da partida realizada na noite desta quinta-feira (11) em Araraquara (SP) contra o Coritiba, o Palmeiras refletiu em campo o comportamento de sua direção. Jogou de forma catatônica, esbanjou apatia, errou passes às toneladas e deu a um adversário medíocre espaço para fazer o que quisesse. Resultado: derrota por 1 a 0, resultado que torna a situação da equipe simplesmente desesperadora no Brasileirão 2012. Parabéns, Tironi e Frizzo!!!

Sem tantas opções no elenco, Gilson Kleina veio para a partida decisiva em termos de fuga da zona do rebaixamento do campeonato brasileiro com Luan no ataque ao lado de Obina, João Denoni de volante e Corrêa e Leandro nas laterais, com Thiago Real na vaga de Valdívia. Infelizmente, em poucos minutos ficou claro que as coisas não iriam correr bem.

Extremamente afobado e pilhado, o time errava inúmeros passes e criou, a rigor, uma única chance de gol, em cabeçada de Obina que nem sequer passou perto do gol adversário. Do outro lado, o mau-caráter que atende pelo nome de Lincoln praticamente apitava o jogo, enquanto sua equipe gastava o tempo e tentava criar contra-ataques, sem grande êxito.

Chegou a ser difícil acreditar que aqueles 45 minutos foram jogados por dois times que há exatos três meses haviam disputado a final da Copa do Brasil 2012. Difícil, não, quase impossível. Mas era a pura verdade.

No início da segunda etapa, Luan fez provavelmente sua única jogada eficiente no jogo e chutou: a bola passou perto. Aos 6 minutos, foi a vez de o adversário chegar de forma perigosa, com Deivid. Três minutos depois, Corrêa chutou forte e obrigou o goleiro Vanderlei a fazer ótima defesa. Mas o ímpeto alviverde acabou por aí.

Aos 12 minutos, Kleina aposta em Maikon Leite, que não estaria no melhor de sua condição física, tirando Luan. Aos 22 minutos, o ex-comandante da Ponte Preta enervou seus torcedores ao susbstituir Henrique pelo inominável Daniel Carvalho, que só foi visto em campo aos 38 minutos, quando levou o oportuno amarelo que o afastou de nossa próxima partida, contra o Náutico, na qual, por sinal, Henrique também não estará.

As mais de 20 mil pessoas que encararam o mau tempo e o ingresso caríssimo para ir incentivar o Palmeiras não mereciam tanto sofrimento, que aumentou quando Rafinha cruzou uma bola que acabou batendo na trave, aos 27 minutos, com Deivid chegando atrasado na hora do rebote. O limitadíssimo time paranaense tomaria total conta da partida, a partir dali.

Pouco depois, Deivid fez um gol de cabeça, que o juiz anulou. O péssimo empate parecia ficar de bom tamanho naquele momento. Mas, como diz aquela frase clássica e antiga, desgraça pouca é bobagem.

Aos 42 minutos, Corrêa falha de forma grotesca ao tentar alivar uma bola da área alviverde. Everton Ribeiro domina, ia fazer o gol, mas é derrubado na área. Pênalti, que Deivid converteria aos 43 minutos. Ah, alguns minutos antes, Gilson Kleina apostou em Vinícius para tentar levar o Verdão à vitória, com o resultado habitual.

Enquanto isso, os dirigentes alviverdes se preocupam em agendar reuniões com Alex 35, organizar despedida de Marcos e anunciar contratação de jogador do Coritiba… Eles merecem ver o time que dirigem na série B do Brasileirão. Nós, não!