Palmeiras empata em Novo Horizonte com gol de Arthur Cabral

Nem sempre um jogo tecnicamente ruim significa jogo em que nada aconteceu. Na tarde deste sábado (23), o empate entre Palmeiras e Novorizontino, jogo de ida das quartas de final do Paulistas 2019, mostrou essa possibilidade. Um gol irregular para o time da casa, com VAR e tudo, um pênalti marcado na base da pressão e do VAR (e defendido sensacionalmente) e o tento de estreia de Arthur Cabral foram os principais ingredientes dessa partida. O jogo de volta é na próxima terça (26), e qualquer vitória classifica o Verdão para a semifinal.

O início do time dirigido pelo Felipão foi bem promissor. Logo a 2 minutos, Borja ficou cara a cara com o goleiro do Novorizontino, mas não soube tirar a bola do cara, que fez boa defesa. Aos 10 minutos, após cobrança de escanteio feita por Dudu, Antônio Carlos ajeitou de cabeça para Borja marcar, mas, de novo, o centroavante mostrou sua má fase e cabeceou para fora. E, a partir daí, o combustível alviverde acabou.

Jogando de forma preguiçosa e sem inspiração, o Palmeiras deu espaço para o time da casa crescer na partida, com algumas tentativas não muito efetivas. Mas aos 37 minutos, Antônio Carlos errou um passe, Murilo chutou forte, Fernando Prass espalmou e Cleo Silva aproveitou o rebote para abrir o marcador. Detalhe: Murilo ajeitou a bola com a mão, irregularidade que o tal de VAR não apontou para árbitro. Jean Patrick, com bom arremate, quase amplia o marcador, com a bola passando perto da meta alviverde.

Com Arthur Cabral e Felipe Pires nas vagas de Borja e Gustavo Scarpa, o Palmeiras voltou aparentemente mais a fim de jogo. No entanto, aos 10 minutos, a bola tocou na mão de Antônio Carlos, na área. O lance estava prosseguindo,. mas desta vez o árbitro pediu a intervenção do VAR. Aparentemente, não contavam com a habilidade de pegar pênaltis de Fernando Prass, que fez isso aos 12 minutos, em cobrança de Murilo. Justiça indireta!

A partir daí, o time interiorano caiu de rendimento, e o Verdão, meio que no abafa, foi pra cima. E o empate veio aos 21 minutos, em cruzamento na área que sobrou para Arthur Cabral, que girou com precisão e mandou a bola para o fundo das redes adversárias. Aos 30 minutos, uma rara chance do Novorizontino, em falta cobrada por Paulinho que Fernando Prass pôs para escanteio.

Tentando compensar suas falhas na partida, o zagueiro Antônio Carlos quase marca aos 32 minutos, em arremate que o goleiro adversário pôs para escanteio. O Verdão ainda pressionou em busca do gol da vitória, mas não teve competência para marcar o segundo gol, com o empate sendo concretizado, no fim das contas.

As notas dos jogadores do Palmeiras:

Fernando Prass-7,5- Pegou o pênalti que nos levou a, logo a seguir, empatar a partida. Lembrou o Prass dos bons tempos, para alegria geral.

Marcos Rocha-6,0- Bastante participativo, mas pouco inspirado.

Antônio Carlos-4,0- Falhou no gol e no pênalti.

Edu Dracena- 6,0- Regular durante toda a partida.

Victor Luis- 6,0- A vontade e o esforço de sempre.

Felipe Melo-5,0- Abaixo do seu melhor ritmo, com direito a alguns passes errados comprometedores.

Bruno Henrique-4,5- O Bruno Henrique de 2018 ainda não voltou…

Gustavo Scarpa- 3,0- Totalmente sumido. Saiu no intervalo substituído por Felipe Pires-6,5, que se não brilhou ao menos correu bastante e deu trabalho à defesa interiorana.

Dudu-6,5- Outro que jogou abaixo do que sabe, mas que, ao menos lutou o tempo todo.

Ricardo Goulart- 4,5- Provavelmente sua pior partida até agora com a camisa alviverde. Saiu aos 19 minutos do segundo tempo substituído por Lucas Lima-5,0, que foi um pouquinho melhor, embora não muito.

Borja- 2,0- Ô, fase, essa atual do atacante colombiano. Perdeu dois gols feitos, ficou perdido entre os zagueiros e irritou a todos. Saiu no intervalo, dando sua vaga a Arthur Cabral-7,0, que além de estrear no Verdão com um gol importante, ainda mostrou muito potencial, embora obviamente fora de ritmo.