Verdão empata e PC Oliveira comprova sua fama

O maior clássico do estado. Um dos maiores do mundo. Quase sempre os dois times fazem grandes jogos,e o de hoje seria mais um deles se não fosse a infeliz arbitragem do Sr. Paulo César de Oliveira.

Como já era esperado, o árbitro roubou a cena nesta ótima partida do Verdão, a melhor até agora desde o retorno de Felipão. Foram inúmeras faltas invertidas, pênaltis não marcados, e até a validação de um gol impedido do Corinthians.

O jogo já começou a mil por hora, com o time da marginal bem entrosado e encurralando o Palmeiras. Foram 15 minutos de sufoco para a zaga alviverde, que se saiu muito bem com o retorno da dupla Danilo e Maurício Ramos, que contou com a ajuda de Edinho e Pierre.

Aos 14 minutos, Kleber, sozinho lá na frente, aproveitou lançamento de Vitore deixou Ewerthon de cara pro gol. No entanto, o Ewerthon já impedido (o novo Enílton) tocou para o Lincoln marcar. Gol corretamente anulado.

Logo em seguida, aos 21, Bruno César tocou para o Jorge Henrique, igualmente impedido, abrir o placar da partida.

Ao contrário do que costumava acontecer, o Palmeiras não se abateu com o gol ilegal e foi pra cima. A torcida, que compareceu em bom número ao Pacaembu, empurrou o time que chegou ao gol de empate logo aos 34 minutos quando o Edinho pegou um rebote de Júlio César, e fez o gol de empate.

Até o final da primeira etapa, o Palmeiras continuou criando oportunidades, mas parava na pouca habilidade de Ewerthon, e nos erros de PC Oliveira, que deixou de marcar um pênalti claro em Kléber e inverteu várias faltas.

No segundo tempo, o Palmeiras voltou para virar a partida. Foram três chances claras já nos primeiros dez minutos. O time controlava o meio-campo, com Lincoln criando boas jogadas, Kleber arrebentando lá na frente, e até mesmo Márcio Araújo marcando bem e ajudando muito, dentro de suas limitações, é claro.

O time apresentava um ótimo volume de jogo. No entanto, com a saída de Lincoln (cansado) para a entrada do jovem Tinga, o Palmeiras perdeu o meio campo e passou por maus bocados.

No final, Patrik entrou, e Ewerthon saiu depois de fazer três gols, todos em posição irregular. O Palmeiras ainda tentou muito chegar ao gol adversário com várias bolas alçadas na área, e com o Kléber mostrando porque é chamado de Gladiador.

Mas não deu, o jogo terminou empatado e a torcida palmeirense, ao contrário da diretoria, criticava em alto e bom som o árbitro Paulo César de Oliveira, o maior adversário do Palmeiras neste emocionante dérbi.

Abraço a todos!