Palmeiras empata com Sport e deixa decisão para Recife

O resumo para o que ocorreu na noite de quinta-feira, no estádio Palestra Itália, é simples: o Palmeiras martelou, martelou, martelou, mas não conseguiu furar a retranca do Sport Recife. Que, por sua vez, também nada fez, nas poucas vezes em que conseguiu sair em contra-ataques rápidos. Resultado: zero a zero, no jogo de ida das oitavas-de-final da Copa do Brasil. O jogo da volta ocorrerá na próxima quarta-feira, em Recife, e nele, o time do retranqueiro Nelsinho Batista terá de atacar, pois qualquer empate com gols é nosso, e o zero a zero leva a decisão para os pênaltis. O classificado para as quartas-de-final pegará o Internacional de Porto Alegre, que eliminou o Paraná Clube do glorioso técnico Paulo Bonamigo.

Após a extenuante partida que jogamos no domingo, pelas semifinais do Paulistão, contra o São Paulo, era óbvio que o time sentiria o desgaste na Copa do Brasil, e não deu outra. Mesmo assim, os comandados de Vanderlei Luxemburgo, diante de mais de 16 mil pessoas, fizeram o possível, criando algumas jogadas de perigo. Mas a falta de inspiração era a tônica. Por sua vez, o time de Pernambuco não escondeu sua principal intenção: jogar fechadinho, tentando encaixar um contra-ataque no qual os atacantes Leandro Ávila e Carlinhos Bala pudessem finalizar com êxito. Nada feito.

Pierre, Alex Mineiro e Elder Granja foram poupados, mas, em função do placar que não havia meios de ser aberto, os dois primeiros acabaram entrando em campo, o que não adiantou muito. Leo Lima saiu lesionado. A arbitragem deixou dúvidas em lance envolvendo Kleber, que foi travado na área de forma que aparentemente caracterizou uma penalidade máxima. Seja como for, pior teria sido um empate com gols.

Imagem: Globoesporte.com

*****************

Ouça também o Torpedo Verde, boletim diário da Rádio Mondo Palmeiras.