Palmeiras empata com Oeste em S.J. do Rio Preto

Em partida repleta de marcação e sem grandes momentos em termos técnicos, o Palmeiras não passou de um empate sem gols contra o Oeste de Itápolis na noite desta quarta-feira (10), em partida realizada na cidade de São José do Rio Preto. O resultado foi justo e refletiu bem o que foi a partida no seu todo.

Com o time bem fechado, o Oeste desafiou a dificuldade habitual do Palmeiras em termos de sair jogando e criar jogadas. Sem apelar para chutões, os comandados de Marcelo Oliveira, no entanto, não conseguiam fazer valer a posse de bola. Por sua vez, os adversários arriscavam chutes de fora da área.

A primeira oportunidade mais agudo a favor do time alviverde ocorreu aos 19 minutos, quando Zé Roberto fez bom cruzamento, o goleiro espalmou e Jean finalizou para fora. Aos 21 minutos, após cobrança de falta, o zagueiro Brinner quase abre o marcador, desviando de cabeça e mandando a bola para fora.

Afora algumas jogadas individuais de Dudu que não davam em nada devido ao individualismo do avante palmeirense, pouco ocorria em termos efetivos na criação alviverde. A partir dos 40 minutos, o Palmeiras se soltou um pouco mais, e mais uma vez Jean quase abre o marcador, finalizando aos 45 minutos após uma boa jogada articulada pelo Verdão.

Com Rafael Marques na vaga de Robinho, o Palmeiras voltou aparentemente com mais consistência, enquanto o Oeste parecia apostar de uma vez por toda nos contra-ataques para definir sua situação. Logo aos 4 minutos, Betinho chutou forte e exigiu boa defesa de Fernando Prass.

Aos 14 minutos, duas cobranças de escanteio quase colocam o time alviverde à frente do placar, ambas executadas por Zé Roberto. Na primeira, Roger Carvalho mandou a bola na trave, enquanto na segunda, Vitor Hugo cabeceou e a pelota saiu pela linha de fundo, trazendo perigo para o adversário.

Com o jogo bem definido em termos de estratégias, com o Palmeiras indo para cima sem grande inspiração e o Oeste sonhando com uma bola matadora, a partida se arrastou, se bem que os goleiros foram exigidos em alguns momentos e mostraram serviço. No fim das contas, o empate prevaleceu.

As notas dos jogadores do Palmeiras:

Fernando Prass7,5– Seguro, esteve atento quando foi exigido e desempenhou à altura de sua fama e importância.

Lucas4,5– Burocrático e bastante fraco no apoio ao ataque.

Vitor Hugo6,0– Regular, sem muito brilho.

Roger Carvalho5,0– Jogou simples e na medida do possível não complicou.

Zé Roberto7,0– De longe o melhor dos jogadores de linha, especialmente na marcação e nas bolas paradas. Correu do primeiro ao último minuto.

Arouca5,0– Mediano na marcação, sem muita criatividade na armação.

Robinho5,0– Esforçado, procurou aparecer para criar jogadas, mas sem muita inspiração. Saiu no intervalo, dando sua vaga a Rafael Marques4,0-, que não jogou nem próximo de seus melhores momentos no Verdão.

Jean6,5– Sentiu a falta de jogo, mas apareceu bem no ataque, com direito a dois bons chutes a gol. Promissor.

Gabriel Jesus4,0– Muito apagado. Saiu aos 12 minutos do segundo tempo substituído por Erik-4,5, que até começou bem, mas depois entrou no padrão mediano do resto dos atacantes.

Dudu5,0– Muito individualista, perdeu várias bolas que poderiam ter sido melhor elaboradas, após alguns bons dribles. Lembrou o Dudu do início no Palmeiras em 2015.

Lucas Barrios2,5– O pior em campo, totalmente fora de jogo. Saiu aos 24 minutos do segundo tempo, e Cristaldo-6,0 se mostrou muito mais esforçado e efetivo, quase fazendo o gol em duas oportunidades.